segunda-feira, março 31, 2008

Feira da Praça XV

É sábado, aqui se vende tudo.
Caminhando entre barracas, vozes, cores,
Passos lentos, penso, olho, conto os miúdos.
Oferecem peças que nos sugerem penhores.

Lembra-me um antiquário a céu aberto...
Negociantes, compradores, expectantes,
Entro na sala de um museu... Estarei certo?
Livros, porcelanas, relógios marcam os instantes.

Incontável relicário, por preço que convida.
Abat-jours, quadros, artesanatos... sedução!
Tudo para colecionadores, é conferir, se duvida.

Feira da Praça XV! As manhãs são mais belas...
Arte e bom preço, aqui, marcam encontro.
J. David vende suas aquarelas.

Um soneto de J. David, que gentilmente o distribui a quem chega a sua banca, lá na feira da Praça XV, sempre com um sorriso, enquanto expõe (à venda) sua gravuras e desenhos.

*****

Fotos de um passeio de sábado

Mosaico no chão da Alerj. Um prédio lindo, com detalhes fantásticos. E uma história curiosa. Ali funcionou uma prisão. Isso mesmo, era a Cadeia Velha. Vejam só. No passado, uma prisão. No presente, abrigo de alguns (sic) marginais.


Arco do Teles, nas proximidades da Praça XV. Vista trânquila, sem a badalação dos muitos bares (e inferninhos) que lotam nos dias de semana. Uma viagem ao passado.


Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé. Recentemente reaberta ao público e ainda em processo de restauração.

Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro. Uma construção grandiosa.

É. O Rio de Janeiro continua lindo!

sexta-feira, março 28, 2008

Fitna: encrenca ou liberdade de opinião/expressão?

Sei lá. Mas que já está gerando polêmica, isto é certo. Conseqüências mais graves podem vir futuramente. A razão é simples: o deputado holandês Geert Wilders resolveu fazer um filme (curta) criticando de forma explicita o Corão, e o Islã, e o que ele chama de “islamização”. No filme ele mostra como passagens do livro sagrado são usadas para incitar a violência. Há algum tempo vimos no que deu as caricaturas de Maomé. Agora isso. Ele que se cuide.

Não acho certo criticar a religião em si. É bom lembrar que houve um tempo que a Igreja Católica queimava viva a pessoa que ia contra seus dogmas. A bíblia foi usada, ou melhor, interpretada para justiçar o injustificável. Duvido que os evangélicos apóiem o enriquecimento absurdo daquele que se diz “bispo”, pelo menos aqueles que têm uma visão crítica sobre os fatos que são apresentados. Mas não podemos criticar a religião evangélica por conta de bandidos aproveitadores. Assim como não podemos criticar o catolicismo porque alguns malucos com mania de grandeza fizeram o que fizeram. Duvido muito que os islâmicos, em sua grande maioria, apóiem as ações de Bin Laden ou quaisquer outros terroristas que matam pessoas inocentes em nome de suas crenças.

Religião, seja ela qual for, é algo relacionado à vida, à paz, à harmonia, à esperança (Re-ligare). Mas infelizmente os seguidores dessas religiões (sejam cristãos, judeus, budistas, islamitas, ou quaisquer outros, e são tantos) são seres humanos, imperfeitos por natureza.

Outra coisa é criticar essas pessoas. Se alguém diz com todas as letras que deseja a morte de outras pessoas, simplesmente por não seguirem seus dogmas, esse alguém será criticado em qualquer lugar, pois estará dizendo uma cretinice. Mas assim como não acho certo confundir a política externa de Bush (ou Chaves) com o povo estadunidense (que, em sua maioria não aprova essa política belicista), não acho certo criticar toda uma cultura ou religião (no caso a muçulmana) porque alguém (um ser humano, imperfeito, como eu) falou sandices como “devemos cortá-los a cabeça”. As declarações absurdas (insensatas, estúpidas, irresponsáveis, arrogantes e cheias de ódio) usadas na montagem do filme são tão horrendas como tantas outras pronunciadas no passado e no presente por pessoas que se dizem seguidoras de outras religiões.

Bem, o filme foi feito e foi distribuído pela maneira mais eficaz: a Internet. Agora é esperar que, quem o assista, lance mão de um olhar crítico. É preciso serenidade para aceitar as diferenças. Já houve muita morte, muita guerra, por conta de interpretações preconceituosas e equivocadas de todos os lados.

O filme pode ser visto abaixo. AVISO: contém cenas (e pronunciamentos) muito fortes, que dificilmente são exibidas na TV.




Matéria no Público
Verbete no Wikipédia
Matéria no O Globo
Pacificador?

Declaração de Luiz da Silva:

"Quem foi o grande pacificador do conflito entre Colômbia e Equador? Foi o Chávez... Por isso, ao ex-guerrilheiro, hoje pacificador, meus parabéns".

Para quem acompanhou o episódio, fica claro que tal declaração de Luiz da Silva é, no mínimo, mentirosa. Mas também perceberão que existe um interesse de desinformação que envolve o encrenqueiro Chávez e o Luiz da Silva. Pregam a ignorância.

quinta-feira, março 27, 2008

Just Another Emperor?

É notória a importância que tem a ajuda de instituições, empresas e pessoas em casos de catástrofes naturais e aquelas causadas pelo homem. Fome, doenças, em diversas partes do mundo são combatidas em parte pela ajuda externa ou interna de organizações voltadas a esse propósito. É a filantropia, a caridade.

Mas começa a surgir uma visão capitalista da filantropia, ou uma postura capitalista de organizações voltadas a esse fim. Seria uma espécie de filantrocapitalismo. Os que defendem a idéia dizem que a aplicação de princípios comum aos negócios pode ser combinada com a busca pela transformação social. Até onde isso é válido? Quais seriam os riscos, os interesses? Seria uma nova forma de imperialismo?

É sobre isso que fala o livro Just Another Emperor? Myths and Realities of Philanthrocapitalism, de Michael Edwards. Disponível para download aqui ou aqui.


Just Another Emperor? The Myths and Realities of Philanthrocapitalism © 2008
Michael Edwards, Demos: A Network for Ideas & Action, The Young Foundation

terça-feira, março 25, 2008

Declaratices dengosas

A gente acredita que o turista que vem visitar a nossa cidade hoje não é candidato ao foco da dengue pelo fato de ele estar em Copacabana e Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro” foi o que disse o presidente da Abav-RJ (Associação Brasileira das Agências de Viagens), Luiz Strauss de Campos no Bom Dia Brasil de hoje. Eis um tipo de declaração que mostra a ignorância ou falsa inocência de certas pessoas em posições importantes, seja de organismo público ou privado, como foi o caso.

Gostaria de saber em que mundo ele vive. Não percebe que os casos de dengue, apesar de terem maior incidência na Zona Oeste, atingem toda a cidade. Isso sem falar nos municípios vizinhos, da Baixada Fluminense, e outros pontos no Estado, menos cotados para ocuparem os jornais ou as rodas de bate-papo dos que "planejam" ações de combate à dengue.

Não percebe que focos do mosquito são observados (e mostrados nos telejornais) no alto dos edifícios com suas piscinas ociosas; ou pessoas que, ignorando o problema (e outros seres humanos), criam mosquitos em seus vazinhos de plantas com água. Não percebe que terrenos abandonados ou mal cuidados não são exclusividades da Zona Norte ou Oeste ou Baixada. Deve planejar o que fala em sua sala climatizada e com tela nas janelas.

Além disso, existe outro fato: será que os turistas se concentram somente em Copacabana e Ipanema? E os tours pela Floresta da Tijuca e outros pontos turísticos. E os passeios por comunidades, que viraram moda.

Ele deveria calar a boca ou pelo menos pensar melhor antes dessas declaratices ignorantes e absurdas. Deveria fazer seu trabalho no sentido de orientar os turistas, informá-los sobre o problema de forma clara e objetiva, assim como promover um treinamento para que os profissionais de turismo estejam preparados (no âmbito de sua profissão e também pessoalmente) para esse problema.

É assim que a dengue se propaga: ignorância de uns, inércia de outros, [pré]conceitos de muitos. Com uma pitada de interesse e mau caratice dos mandatários de órgãos públicos.
Democracia Superinteressante

Recebi a dica de um amigo. A revista Superinteressante disponibilizou seu acervo de 20 anos, integralmente, na internet. Edições desde 1987, mais de 12 mil páginas.

Clique aqui para acessar o SuperArquivo.

segunda-feira, março 24, 2008

Beijing 2008

Foi acesa a tocha Olímpica
© JONATHAN SHAPIRO. 24-3-2008

Zapiro (always a great cartoon). Click here for more

domingo, março 23, 2008

Serve pra cá, mas foi lá

Tardiamente, mas em tempo para aprender, refletir e me emocionar, tomei conhecimento de um discurso de Barack Obama, que disputa com Hillary Clinton, a indicação do partido Democrata para concorrer às eleições presidenciais nos EUA. O discurso, em que aborda a questão racial, mas que não fica só nisso, foi feito no estado estadunidense da Filadélfia, em 18 de março. Barack tem a chance de se tornar o primeiro presidente negro dos EUA, mas não tem focado sua campanha na questão racial. Pelo menos até o sermão inflamado de seu antigo pastor, que teve grande repercussão na mídia, e que naturalmente obrigou Obama a se posicionar.

O discurso de Obama, em certos momentos, parece se referir ao Brasil, por isso me identifiquei em muitas partes. Como todos já estão dizendo, é um discurso que entra para a História. Não só daquele país.



Baixar transcrição - aqui ou aqui
Download transcription - here or here
Relembrando...

Neste dia gostaria de repetir um post do ano anterior, onde faço uma relação do significado da Páscoa e outro evento, ocorrido na África num mesmo dia (*), e que parece não ter ensinado muito, uma vez que vemos tragédias se repetindo na atualidade.

O título do texto é “Páscoa: Lembrando e refletindo”. Clique aqui para ler.

E fica, mais uma vez, o convite: Lembrem e reflitam.

Boa Páscoa!

(*) Ano passado, a Páscoa foi comemorada em 07 de Abril, mesmo dia e mês do “evento” que cito no início.

sexta-feira, março 21, 2008

À tradição, com ou sem explicação!

Estava questionando a tradição católica de comer peixe neste dia, Sexta-feira Santa. A primeira resposta a esse tipo de questionamento é que certas tradições são... tradições, e correr atrás de uma explicação lógica, coerente, é chover no molhado. Já que não é nociva, aceite se quiser. Ou melhor, tendo em vista do preço do peixe, aceite e siga quem puder.

Encontrei um texto interessante, de António Marujo, que saiu na edição de hoje do Jornal português Público (na versão impressa, disponível on-line). Leia abaixo:

O que tem a morte de Jesus a ver com não se comer peixe?

Uns por convicção, outros por tradição. Muitos católicos optam, hoje, por se abster de comer carne, optando por se alimentar de carne. Em dia de Sexta-Feira Santa, a Igreja Católica recomenda, na sua doutrina tradicional, que os crentes recordem a morte de Jesus também através da alimentação. Mas o que tem o peixe a ver com o facto de Jesus ter morrido?

Num estudo sobre as origens desta tradição, o teólogo Cyrille Vogel (em Eucharisties d"Orient et d"Occident, ed. Cerf, Paris), propõe que o peixe, mais que um substituto da carne, era, entre os primeiros cristãos, um elemento de uma refeição sagrada. Possivelmente, uma tradição herdada do judaísmo, em primeiro lugar, e de outras religiões.

No caso cristão, o peixe como "alimento sagrado" está também fortemente filiado em várias das refeições de Jesus contadas nos evangelhos - e, em especial, nas refeições após a ressurreição, quando Jesus se encontra com os seus companheiros mais próximos. Terá sido na Síria, diz Vogel, que pela primeira vez o peixe como simbólica cristã foi introduzido.

"Olha-se muitas vezes para o cristianismo como religião do sofrimento, do sacrifício e da reparação", diz João Eleutério, padre e professor de Teologia dos Sacramentos na Universidade Católica, referindo-se à proposta tradicional da abstinência. "Mas o ponto de partida devem ser as refeições pascais de Jesus, após a ressurreição. É sobretudo a liberdade de Jesus, na entrega que ele livremente faz de si mesmo, que está em causa, e não um qualquer fatalismo."

Terá sido Tertuliano (180-220 d. C.), um cristão romano que não conhecia o judaísmo, a travestir a tradição e a propor a abstinência de carne como alimento. Já em meados do século V, Eznik de Kolk escreve que, como Jesus comeu peixe depois de ressuscitar, os cristãos devem seguir-lhe o exemplo. O peixe tinha outro simbolismo entre os cristãos: a palavra grega, ichthys, servia de acróstico para Iesus Christus Theos Yctis Soter, ou seja, Jesus Cristo Filho de Deus Salvador.

A evolução histórica e a codificação normativa fizeram o resto e o peixe, em vez da carne, passou a ser a norma para os dias de jejum e abstinência obrigatórios - hoje limitados a Quarta-Feira de Cinzas (primeiro dia da Quaresma, o tempo de preparação da Páscoa) e a Sexta-Feira Santa.

Em dois documentos, de 1982 e 1985, a Conferência Episcopal Portuguesa diz que "a abstinência consiste na escolha de uma alimentação simples e pobre". Mas o texto oscila, depois, recordando que "a sua concretização na disciplina tradicional da Igreja é a abstenção de carne".

O padre Pedro Ferreira, director do Secretariado Nacional de Liturgia, da Igreja Católica, afirma que o espírito deve ser o de se abster de comer "alguma coisa em benefício de outro mais necessitado".

Reconhecendo que falta uma pedagogia mais contemporânea, João Eleutério concorda: "Estamos presos a uma tradição, precisamos de entrar na lógica de que queremos fazer determinado gesto por opção positiva, por oblação, e não como sacrifício no mau sentido."
Liberdade de Expressão

Artigo 19° - Declaração Universal dos Direitos Humanos

Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e idéias por qualquer meio de expressão.

Democracia, direitos humanos básicos, liberdade de informação e de expressão. São coisas simples, que muitos buscam. E muitos lutam para garantir tais direitos. Uma das "armas" é o Blog. São milhares, provavelmente milhões no mundo inteiro. Pessoas anônimas, jornalistas conhecidos ou não, artistas, professores, cientistas, gente das mais diferentes origens, orientações políticas, religiosas e ideológicas, que usam a internet com o mesmo propósito: se expressar.

No meu blog, o Trocando Uma Idéia Sobre Tudo (TUIST), procuro fazer jus ao título e postar sobre diversos assuntos, das artes à política, mas sempre tentando pensar criticamente sobre tais assuntos e não esquecendo do "social". Eu tento. E também não me prendo a minha cidade ou ao meu país, procuro me informar e escrever sobre diversos assuntos que acontecem ao redor do mundo.

Essa liberdade de expressão, algo relativamente fácil de exercer pelo Blog, pode esbarrar no controle Estatal em alguns países. Tem-se notícia, por exemplo, de que na China (país em vistas de igualar o número de internautas com os EUA), faz restrição a essa ferramenta. Veja lista dos “inimigos da internet” dos Repórteres Sem Fronteiras.

E não é apenas a internet um território vigiado. A TV e o rádio também o são. Governos e instituições com poder político e financeiro tentam impor a lei do silêncio em vários meios de comunicação e expressão. Mas a resistência se faz sentir. Amém.

Gostaria de dedicar essa postagem ao egípcio Kareem Amer, blogueiro e ex-estudante de direito que foi preso e condenado por se expressar. Escreveu críticas ao fundamentalismo religioso, ao conservadorismo dos professores na al-Azhar University, defendeu os direitos das mulheres. Foi preso, depois expulso da universidade, e preso novamente. Kareem é mais uma vítima de um sistema que não suporta críticas, não permite que pessoas se expressem, a não ser que seja a favor de tudo, como robôs feitos para aceitar o que lhes é imposto.

A questão da liberdade de informação e expressão é algo que requer muita atenção de todos, pois mais cedo ou mais tarde atinge a todos. Kareem, como disse, é mais uma vítima. Imagino quantas outras pessoas foram presas e até mortas pelo mesmo motivo, e nada sabemos.

Fato grave que se torna mais uma barreia a livre expressão e a informação é o novo regulamento de mídia adotado pela Liga Árabe este ano, que permitirá um controle mais rigoroso aos meios de comunicação (mais especificamente à TV) pelos governos da região. Um regulamento não apenas repressivo, mas também retrógrado, segundo a organização Repórteres sem Fronteiras.

O texto daria carta branca para que a mídia árabe seja silenciada, segundo o International Herald Tribune. É uma iniciativa do Egito e Arábia Saudita, justamente os países donos dos satélites responsáveis pelas transmissões em toda região. A prisão de Kareem foi apenas um aspecto da repressão à liberdade de expressão e informação.

Não tenho notícias de prisão de blogueiros no Brasil, mas não considero aqui o paraíso de liberdade de expressão e informação. Me parece que a Lei (que nada tem haver com justiça) dá subsídios mais para o silêncio. Governos que escondem informações, não aceitam críticas e atuam como se vivêssemos uma ditadura. Televisão, jornais e outras mídias com uma cobertura miserável das mazelas sociais e que parecem comprometidas com o poder, com a elite (exemplos são as concessões nas mãos de políticos). Isso sem contar o uso de uma concessão pública para enriquecimento e fortalecimento de organizações privadas. São muitos exemplos.

Fica clara a importância de pessoas como Kareem. De iniciativas de uma pessoa ou grupo em prol da liberdade de expressão e informação.

Beijing 2008
© JONATHAN SHAPIRO. 20-3-2008

Zapiro (always a great cartoon). Click here for more

quinta-feira, março 20, 2008

Humana-mente (com trocadilhos, por favor)

Luiz da Silva atual:

Qualquer deputado, qualquer senador sabe que é humanamente impossível governar se não tiver medida provisória, porque o tempo e a agilidade que as coisas custam a acontecer muitas vezes é mais rápido que as decisões democráticas que são necessárias acontecer no Congresso Nacional”.

Fonte: Folha Online.

Ele mesmo, em 1998, quando era então candidato, em carta entregue à OAB onde assume certos, digamos, compromissos:

Assumo o compromisso de acabar com o uso indiscriminado de Medidas Provisórias. O atual governo adotou mais MPs do que os Decretos-lei editados pelos governos militares. Limitar-me-ei ao que prescreve a Constituição Federal - para cuja elaboração contribuí - de só editar Medidas Provisórias em situações de excepcional idade e emergência.

Fonte: Direito 2

Acho que ele sentiu o gostinho do poder. O poder da canetada (do eu quero, eu posso, eu decido, eu faço). Bastante humano.

Medidas provisórias no DJi
Medidas provisórias no site do Planalto
Escandalização do nada (?)

Caramba! Até onde vai a cara-de-pau desses caras? Qual o conceito que têm de ética e responsabilidade com o dinheiro público? O que para eles seria roubo? O que seria normal, aceitável? O que seria um escândalo? Quais os limites disso tudo?

Escandalização do nada” foi como o ministro Jorge Hage, da Controladoria-Geral da União (CGU) rotulou o uso indevido dos cartões corporativos. Segundo reportagem do O Globo Online, o ministro ainda defendeu a compra da tapioca feita pelo ministro dos Esportes, Orlando Silva, no valor de R$ 8,00. Taxou de preconceituosas as críticas feitas e afirmou que seria diferente se o valor fosse gasto no McDonald’s. É incrível o que são capazes de dizer para defender a corrupção em todas as esferas da administração pública!

Os ministros ganham o suficiente em salário e benefícios que os permitiriam comer tapioca até a morte! Mas o que é inadmissível é que o uso, seja de 1 Real ou 1 milhão de Reais do dinheiro público de forma indevida, seja considerado normal, aceitável... “NADA”. É crime. É roubo. Há poucos anos uma dona-de-casa foi presa por roubar um pote de manteiga num supermercado. Recentemente um homem foi preso também por roubo, ele foi acusado de abrir (e consumir) uma daquelas garrafinhas de cachaça num supermercado (de meio litro, que custam cerca de R$ 1). Por que os dois casos foram classificados como delito (o que realmente são) e o uso do cartão, indevidamente, é tido como um “nada”, uma bobeirinha?

É lamentável que um ministro considere isso como nada. Parece não haver limite entre o que é corrupção e o que não é. Não há e não pode haver meio termo, sob o risco de se banalizar esses escândalos. O gasto com a tapioca ou quaisquer outros produtos e serviços pagos indevidamente com o dinheiro do povo em forma cartões corporativos (recurso criado para gastos emergenciais e possibilidade de maior controle e transparência) deveria ser considerado roubo.

Veja qual é a função da CGU, extraída no site do órgão:

A Controladoria-Geral da União (CGU) é o órgão do Governo Federal responsável por assistir direta e imediatamente ao Presidente da República quanto aos assuntos que, no âmbito do Poder Executivo, sejam relativos à defesa do patrimônio público e ao incremento da transparência da gestão, por meio das atividades de controle interno, auditoria pública, correição, prevenção e combate à corrupção e ouvidoria.

Dizem que irão investigar não só os gastos com os cartões, cujos registros constam do Portal Transparência. Irão averiguar também as contas do tipo B (o caixa dois) cujos gastos não possuem controle. Investigarão até 1988, segundo o ministro, "muito além da tapioca".

Só espero que a investigação (e a postura dos investigadores) também vá muito além desse conceito tosco do que é aceitável, ou ético, ou nada!

segunda-feira, março 17, 2008

Por que escondem?

A China oficial (às vezes penso que lá, o que não é oficial é ilegal) diz que os acontecimentos no Tibet são causados por baderneiros, criminosos separatistas. Informa oficialmente um número de mortos, contradizendo o que seria o extra-oficial, ou ilegal, muito mais alto e fornecido pelo governo tibetanos no exílio. Mas algo me intriga. Por que retirar do ar o YouTube (hoje o meio mais democrático de compartilhamento de vídeo)? Por que não permitir os sites de ONGs ligadas ao Tibet? Por que bloquear (para dizer o mínimo) os blogs? Por que não permitir a imprensa lá? Se estão tão certos de que o que ocorre no Tibet é algo criminoso e que combatem com “racionalidade”, por que não nos exibir as imagens, não permitir que os tibetanos de lá falem? Por que suprimir ou impedir a liberdade de informação, de expressão? O que escondem? E por que?

Parece que uma das primeiras atitudes do país sede dos Jogos Olímpicos e dragão da economia mundial foi fechar as cortinas. Aqueles milicos de M têm medo. Tenho certeza que a maioria dos mais de 1 bilhão de chineses, se lhes fosse dado o direito de informação e expressão (e subsídios para uma análise crítica dos acontecimento) não concordariam com os atos de seu governo.

É isso. Os comunas capitalistas têm medo de seu povo. Não estão nem aí para a opinião internacional. Devem rir de cada matéria que os critica. É claro. Para que ter medo, uma vez que têm o respaldo dos governos estrangeiros e das grandes empresas que visam as vantagens econômicas daquele grande país que “decidiu” consumir.
Até quando?

O que nasceu primeiro, a impunidade ou a pilhagem do patrimônio público? Sinceramente eu não sei, mas nessas duas tragédias nacionais existe outro ingrediente, a propina. São tantos os safados que criam esquemas cruéis de desvio de dinheiro público, são tantos criminosos lotados ou com “filiais” em órgãos públicos. E são tão poucos aqueles que pagam por esse crime, se é que alguém já pagou realmente. Uma coisa é certa, alguém tem feito o pagamento: o povo brasileiro, o contribuinte, em cada imposto sobre imposto, em cada desserviço público, em cada estrada esburacada, em cada escola caindo aos pedaços, em cada minuto aguardando na fila por um atendimento chulo numa instituição de saúde… Alguém paga.

O esquema recente no Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) onde se fraudavam concessões de títulos de entidade filantrópica parece que foi a gota d’água, assim como tantos outros que o antecederam e, infelizmente, outros que ainda estamos por descobrir. É como um “gato”, só que não no sistema elétrico ou na rede de abastecimento de água, mas, assim como o gato que bem conhecemos (e sobre o qual já comentei aqui) esse também desvia recursos para uns, prejudicando muitos outros e a si mesmo. Ninguém pode fugir do ciclo vicioso que nos envolve enquanto inseridos numa sociedade, nem o honesto nem o criminoso.

O que é mais revoltante nesse caso é a questão da pilhagem direta. São milhões de Reais que deveriam ser aplicados na melhoria de vida dos mais pobres, trazendo estes para um patamar social aceitável e digno, e esse dinheiro é desviado de forma a beneficiar uma vida de riqueza surreal de uma quadrilha constituída e cujas teias alcançam altos postos da administração publica. Enquanto isso, mesmo com a festa do BIP acima do esperado, milhões de brasileiros ainda sofrem, estando à margem dos benefícios sociais (assistencialistas ou não) tão aplaudidos.

Isso é crime hediondo. Dos mais terríveis que se possa imaginar. Esse tipo de ato criminoso não deveria mais ser chamado apenas de desvio de bem público ou corrupção, e sim promoção da pobreza, da miséria, da fome e da morte, pois é exatamente isso que fazem esses bandidos.

E é sempre a mesma coisa. Os esqueminhas de cada dia. O pagamento de propina a criminosos em postos chaves permitem que outros bandidos promovam suas praticas delituosas. Somando um pouco de omissão de alguns outros, eis um prato cheiro para que o assalto ao bem público seja mantido. O ingrediente final é a impunidade. Mesmo tudo provado, os bandidos continuam desfrutando de suas riquezas. Aqueles com mais projeção política e espaço na mídia, fazem discursos acalorados para tentar convencer-nos de sua inocência. Daí acha uma das muitas “brechas” na lei e continuam praticando seus atos. É repugnante.

Outro caso que ocupa os jornais ocorreu numa instituição que está se mostrando a mais corrupta nos últimos anos: a ALERJ (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro). O episódio de uso, por parlamentares, de cidadãos humildes e com número grande de filhos, registrando-os como assessores fantasmas, para desviar recursos que seriam de educação e salário, é execrável. Esses canalhas deveriam ir direto para a cadeia.

Mas existe a impunidade. A luz no fim (o logo no início) do túnel para os milhares de salafrários que promovem, repito, promovem a fome, o abandono, a falta de oportunidades e condições para educação, a miséria.

Até quando?
Fé Intolerante

Parece que o Rio está sendo palco de mais um crime: o da intolerância respaldada numa fé criminal. Algumas ditas "igrejas independentes" têm nos seus quadros de seguidores bandidos que, embora "convertidos" continuam sendo bandidos, praticando e promovendo a bandidagem, só que respaldados pelas tais igrejas. A contrapartida (uma delas, creio eu) é a intimidação e até a expulsão daqueles que seguem religião de matriz negra, a Umbanda e o Candomblé.

Já não bastasse um cretino chutar uma santa católica em cadeia nacional de televisão, agora a agressão é armada e feita por outro cretino, ou grupo de cretinos que acham que sua fé lhe dá respaldo para o crime. Fico imaginando esses marginais estúpidos lendo a bíblia. Qual será a interpretação que fazem das escrituras?

Os representantes de entidades federativas de Umbanda e Candomblé levam a questão às autoridades máximas de segurança Estadual. E fazem bem. É caso de polícia.

sábado, março 15, 2008

Será que ele sabe?

Em que mundo Chaves vive? Enquanto fica financiando grupos terroristas e dando seus ataques insanos até que o mandem se calar (o que é difícil), seu povo está passando por certas dificuldades incompreensíveis para um país tão rico em petróleo. É o que mostrou a reportagem de ontem no Jornal Nacional. Filas para compra de alimentos básicos cada vez mais escassos. Inflação alta. Combustível 20 vezes mais barato que água.

O cara é um lunático, uma criança mimada na presidência. Com discurso revolucionário, mas sem competência (se é que não o faz intencionalmente) de administrar um país. E tem a cara-de-pau de discursar contra os EUA sendo aquele país um dos maiores mercados para seu principal (e que parece único) produto: o petróleo. É o terceiro maior exportador para o EUA segundo dados da EIA.

Hugo Chaves, olhe para seu país e para de tentar arrumar encrenca na vizinhança.

sexta-feira, março 14, 2008

Lapalagada e Rio de lágrimas

Está é uma foto da noite de quinta-feira (13/03) na Rua Mem de Sá, no Centro do Rio, região da Lapa. O alagamento não é novidade, tendo em vista que o sistema de escoamento é falho, problema agravado pelos bueiros entupidos (culpa da população) e pela própria capacidade do sistema que parece não ter acompanhado o crescimento local.

A questão da capacidade pode se agravar assim que forem ocupados e estiverem em uso os 688 apartamentos de um novo condomínio naquela localidade. Ruas estreitas e sistema de escoamento fluvial e de esgoto de décadas atrás.

Enquanto isso, o Sr. César Maia posa em comerciais da TV mostrando as benesses que julga ter feito para a cidade. Não cheguei a contar o número de obras que o comercial contempla. Mas com certeza são pontos conhecidos. É bom lembrar que a cidade tem 160 bairros. A maioria não aparece na televisão e contam com muitos problemas. Mas parece que político gosta de aparecer, e o que aparece está próximo à dita elite.

O mesmo serviria para o viajante Sérgio Cabral Filho. O ESTADO do Rio não é apenas a cidade ou o trajeto Centro-ZonaSul-Barra. São 92 municípios.

Mas, voltando à Lapa. Como é que fica? Tanta obra para nada? Alô Prefeito! Alô Governador! Acordem!!!

quinta-feira, março 13, 2008

O que é isso companheiro?

Não resisti. Hoje aconteceu mais um protesto aqui no Centro do Rio. E o palco, mais uma vez, foi o EDISE (Edifício Sede da Petrobras). A "luta" pelo que ouvi e pude ler na internet é com relação a construção de mais uma plataforma da petrolífera brasileira. A manifestação contou com mais de mil funcionários de um estaleiro, que cobram comprometimento da Estatal para que a plataforma seja construída no Rio de Janeiro, e não com uma licitação internacional cogitada pela companhia e que economizaria uns 200 milhões de dólares, mas comprometeria 3000 postos de trabalho no Rio. Bem, a primeira coisa que eu tiro disso é que o estaleiro não concorreria a licitação ou já sabe que não têm condições de ganhar. Mas deixa isso pra lá. Eles saíram comemorando uma espécie de acordo. Não sei bem qual, mas parece que foi "positiva" a manifestação. Bom para eles, bom para os trabalhadores.

Mas o que observei e sempre observo é o grau de comprometimento nessas manifestações. Embora seja para um bem comum (aos manifestantes, no caso, os trabalhares e suas famílias) parece que alguns não estão nem aí.

Vieram em caravana de Niterói, via barcas, e quando estavam aqui perto podia ver um monte de camelôs (que surgem do nada) vendendo suas mercadorias. Os operários logo se acomodaram nos gramados em frente ao EDISE e ao BNDES, mais no segundo que virou uma espécie de arquibancada.

Ao sair para o almoço, havia um monte de operários devidamente uniformizados na rua oposta. Nesse caso quem faturou foi o dono do bar próximo, pois vendeu muita cerveja. Bem, como provavelmente não iriam mais trabalhar nesse dia, nada mal umas cervejas com os colegas. Mas isso foi durante a manifestação, quando os mais comprometidos estavam expondo suas idéias e suas (do grupo, dos companheiros, dos trabalhadores) reivindicações.

Ao final, pude ver que os gramados, tanto do lado da Petrobrás como também do BNDES estavam imundos. Copinhos, latas, papéis. Trabalho para os funcionários (terceirizados, é claro) do banco e da petrolífera. Sem contar os garis.

Poxa. Uma cidade limpa também é um bem comum. Se tem algo que não suporto é o ato de jogar lixo na rua, como se a cidade fosse uma grande lixeira. Que tal fazerem uma manifestação sustentável, para usar uma palavra da moda, onde os argumentos são expostos, as negociações são feitas e a cidade não é esculhambada.

Que é isso companheiro?

segunda-feira, março 10, 2008

Resgate literário

O Instituto Nacional do Livro e do Disco, do Ministério da Cultura de Angola, irá reeditar obras de autores africanos, há décadas sem reimpressão em língua portuguesa. É o que garantiu o ministro da cultura angolano, Boaventura Cardoso. Dentre eles estão Chinua Achebe, Birago Diop, Sembéne Ousmane, Alex La Guma, Ngugi wa Thiong’o e o ganhador do Nobel de Literatura de 1986, Wole Soyinka.

Ótima iniciativa. África contada por ela, através dos olhares de grandes escritores, poetas, romancistas.

"Ancestralidade" - Birago Diop

Ouça no vento
O soluço do arbusto:
É o sopro dos antepassados.
Nossos mortos não partiram.
Estão na densa sombra.
Os mortos não estão sobre a terra.
Estão na árvore que se agita,
Na madeira que geme,
Estão na água que flui,
Na água que dorme,
Estão na cabana, na multidão;
Os mortos não morreram...
Nossos mortos não partiram:
Estão no ventre da mulher
No vagido do bebê
E no tronco que queima.
Os mortos não estão sobre a terra:
Estão no fogo que se apaga,
Nas plantas que choram,
Na rocha que geme,
Estão na casa.
Nossos mortos não morreram.

sexta-feira, março 07, 2008

Mulheres
Frauen
Mujeres
Femmes
Vrouwen
Donne
Women

Estava aqui pensando sobre o que iria escrever para homenagear as Mulheres em seu Dia Mundial, amanhã, 8 de Março. Comecei a fuçar na internet. Encontrei essas imagens de rosas que achei ótimas, mas faltava algo. Dentre as coisas que vi, uma me chamou atenção. Primeiro pela relação com o continente africano. E depois, de forma mais geral, a beleza do trabalho deste fotógrafo, JR. Leio bastante sobre o que ocorre na África, os conflitos, as crises humanitárias, e uma coisa sempre se repete: o sofrimento das mulheres. Não é algo exclusivo do continente africano. Em todas as áreas de conflito têm-se notícias de violações graves aos direitos humanos e, na maior parte das vezes, as mulheres são as vítimas. Então, vi que era uma boa opção. Uma bela homenagem. Um apelo para que tais acontecimentos não se repitam.

O texto abaixo foi extraído do site do projeto "Women Are Heroes" e traduzido por mim, com a ajuda indispensável do Tradutor do Google. No fim, assistam o vídeo do projeto na África.

"Women are heroes!" proclaim Médecins Sans Frontières (MSF) and the activist JR on the occasion of International Women’s Day.
JR has visited Sierra Leone, Liberia, Southern Sudan and Kenya, returning with striking portraits of women taken with the help of his 28 millimetre lens.
He wants to share their stories, first by exhibiting them in their country of origin, then in the framework of spectacular exhibitions hosted in several cities throughout the world.
As from 8th March 2008, the faces and expressions of eight women will first of all be splashed across the walls of Brussels for a month. Their gigantic portraits will make their presence felt in the streets of the town centre reflecting how vital their role is in the daily routines of their countries.
By asking them to pull a face, JR shows the spark of life... The expressiveness of their faces testifies to their strength, their courage and their will to fight which keeps them going, keeps them alive.
"Women are Heroes!" in honour of the fate of these women, both strong and vulnerable, who display extraordinary strength in all circumstances, including the most extreme.
They do not always have guaranteed access to health care, so MSF responds to their specific health needs in numerous countries.
For MSF, this collaboration is part of its campaign on women in humanitarian crises launched last June, whilst for JR, this first exhibition in Brussels is the beginning of the third phase of his 28 millimetres artistic project – following on from “Portrait of a generation” (2004-2006) and “Face 2 Face” (2007).


"As mulheres são heróis!" proclamam os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e o ativista JR por ocasião do Dia Internacional da Mulher.
JR já visitou Serra Leoa, Libéria, o sul do Sudão e Quênia, retornando com flagrantes retratos de mulheres realizados com a ajuda de sua lente 28 milímetro.
Ele quer compartilhar suas histórias, primeiro exibindo-as em seu país de origem e, em seguida, em exposições em várias cidades de todo o mundo.
A partir de 8 de Março de 2008, os rostos e expressões de oito mulheres estarão espalhados pelas paredes de Bruxelas, durante um mês. Seus gigantescos retratos farão sentir a sua presença nas ruas do centro da cidade como que refletindo o seu papel vital no cotidiano de seus países.
Ao pedir-lhes para exibir o rosto para câmera, JR mostra a faísca de vida... A expressividade dos seus rostos reflete sua força, a sua coragem e a sua vontade de lutar, o que as faz continuarem, as faz sobreviverem.
"As mulheres são Heróis!" em honra do destino destas mulheres, fortes e vulneráveis, que exibem extraordinária força em todas as circunstâncias, incluindo as mais extremas.
Elas nem sempre têm garantido o acesso aos cuidados de saúde, de modo os Médicos Sem Fronteiras tentam suprir às suas necessidades específicas de saúde em numerosos países.
Para os MSF, esta colaboração faz parte de sua campanha sobre as mulheres em crises humanitárias lançado em Junho do ano passado, ao passo que para JR, essa primeira exposição em Bruxelas é o início da terceira fase do seu projeto artístico com lentes de 28 milímetros - na seqüência do "Retrato de uma geração "(2004-2006) e" Face 2 Face "(2007).



Dinheiro: um “eticida”

Esta é a base de um texto de Chris Rodrigues no Thought Leader. Ele compara a postura da Inglaterra perante o Zimbábue e à China. Leia aqui, em inglês.

Zimbábue vive períodos difíceis, com uma inflação de seis dígitos (a maior do mundo). Um caos político e econômico. Com acusações de violações de direitos humanos, restrições à oposição política, à mídia, e organizações não governamentais, o país é governado há 27 anos por Robert Mugabe que, aos 84, parece não querer largar o osso.

A China, sede das olimpíadas desse ano, parece que também não liga muito para esse negócio de direitos humanos. Num governo de partido único que não convoca eleições, o país não conta com um judiciário independente, é liderança mundial em execuções, com casos de trabalho forçado, desaparecimentos e tortura, censura internet e a livre expressão. Isso além de reprimir as minorias, tais como tibetanos e uighurs.

Mas resolveram abrir as portas, consumir, produzir, em suma, entrar no jogo mundial. Isso dá dinheiro! E parece ser esse o grande motivador do discurso brando, não só da Inglaterra, com relação à China. Declaram-se abertos aos investimentos que surgem do gigante asiático, abrem largos sorrisos para os bilhões de euros/dólares à vista, empresas, parcerias. Mas amenizam a questão dos direitos humanos.

É o caso de um peso e duas medidas. É o dinheiro matando a ética.
Nas ruas de Johannesburg

Eis uma prática proibida legalmente aqui no Brasil. Mas não quer dizer que não aconteça, muito pelo contrário. Geralmente a propaganda é no boca-a-boca. E é fácil perceber onde ficam as "clínicas". Basta andar por certas ruas de Botafogo, Tijuca. Sempre com um segurança na porta. Nenhum sinal de movimento. Em Johannesburg, África do Sul, parece que o negócio é bem mais indiscreto. Vejam o panfleto abaixo, da matéria "Backstreet solution" do Mail&Guardian.




3 é bom, 513 é demais

Luiz da Silva está em solo carioca. Visitará, como toda pompa e circunstância que um mandatário da nação merece, três comunidades (ou favelas) da cidade do Rio de Janeiro.

Maravilha! Finalmente o Estado brasileiro, representado pelo governo federal que decidiu desengavetar certos projetos, e acompanhado por uma penca de agregados e parceiros que não poderiam perder a oportunidade de aparecer, irá se fazer presente nessas comunidades. E dessa vez não entrará atirando na direção de onde acha que partem os disparos dos traficantes.

Legal. Li que o investimento per capita para o PAC nessas três localidades será de aproximadamente R$ 4.384,00. Se considerarmos os gastos que o Estado Brasileiro tem com cada deputado, com cada vereador, as mordomias, as maracutaias, as lixeiras de mil reais, e outros absurdos... Bem, acho, ou melhor, tenho certeza que o investimento é mais válido.
Manguinhos, Complexo do Alemão e Rocinha. São três das mais conhecidas, não só por aqui, mas internacionalmente. O Complexo do Alemão foi palco de um intenso conflito entre policiais, inclusive da FNS, com os traficantes. Notícia que correu o mundo. Manguinhos conta há tempos com projetos sociais e divide espaço com um centro de excelência mundial na produção de vacinas e pesquisas em saúde pública (a FioCruz). A Rocinha é a mais famosa. Parece o orgulho nacional ter a maior favela da América Latina. É visitada por estrangeiros de todo o mundo como um ponto turístico. Comunidade quase auto-suficiente, com comércio forte e pessoas trabalhadoras, construções de todo o tipo, mas cuja visão ao lado de um dos bairros mais ricos da cidade mostra o abismo social vigente. Também conta com diversos projetos sociais, mas tem uma chaga, como as demais: o tráfico.

Essas foram as três escolhidas. Para a imagem do governo será ótimo. Se tiver sucesso, e espero que tenha para o bem dos moradores honestos (bem esse que se refletirá no resto da cidade), será como uma propaganda em horário nobre. Jogada de mestre.

Mas o Rio não possui apenas três ou quatro comunidades carentes ou favelas. São centenas. No senso de 2000, pelo li, constavam 513. E o número parece que cresceu de lá pra cá. A grande maioria não tem a fama internacional, nem a cobertura intensa da mídia, nem fica entre dois bairros nobres da cidade, nem conta com a atenção de tantas ONGs mantidas com o dinheiro público. Algumas não dão ibope. Mas estão lá!

quinta-feira, março 06, 2008

Cadeia nele

O safado da foto é Viktor Bout, preso hoje na Tailândia. Conhecido como "Mercador da Morte" ele é (era, definitivamente, espero eu) um negociante de armas, vendendo ou intermediando a venda para grupos armados como as FARC (será que o laptop ajudou?), segundo a reportagem da AFP. Em seu currículo também consta fornecimento de armamento que alimentou conflitos no Afeganistão (fornecendo ao Talibã e Al Qaeda), em Angola, na República Democrática do Congo, na Libéria, em Ruanda, em Serra Leoa e no Sudão.

Menos um. Espero que fique bem trancafiado.

Fontes: EuroNews, AFP
From Telegraph on-line
Momento musical - Cartola (Alvorada)

Quem apóia bandido é cúmplice...

... E igualmente criminoso. E isso fica mais vergonhoso quando feito em ato público e sob a tutela de organizações representativas do trabalhador. Se concordarem comigo que seqüestro, assassinato e terrorismo são crimes, desumanos e abomináveis, creio que também hão de concordar com a afirmação que faço no título. Isso poderia ser aplicado aos que apóiam a política beligerante de Bush, com direito a ferramenta chamada Guantánamo. Mas aqui a afirmação se aplica àqueles que defendem outros marginais, esses pelo visto mais populares em certos setores esquerdistas (se é que isso ainda existe, pois parece que tudo é interesse, maracutaia, banditismo, dominação), os criminosos que integram as FARC.

Pois bem, está programada para hoje uma manifestação intitulada JORNADA MUNDIAL CONTRA O GOVERNO FASCISTA DA COLÔMBIA que, travestida de ato pela paz na AL e contra o "imperialismo" (referência direta aos EUA, mas poderia ser à Chaves), dentre outras coisas condena o combate aos terroristas das FARC e, pasmem, faz um tributo a Raul Reyes, terrorista morto na operação colombiana em solo equatoriano. Isso mesmo. Glorificam um terrorista. Será que também glorificaram Sadan ou têm simpatia por Bin Laden (ou mesmo por Bush, quem sabe)?

Essa manifestação, pelo que li, ocorre em outros lugares, mas aqui, no Rio de Janeiro, será no SINTRASEF (Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado do Rio de Janeiro). Por que não saem por aí defendendo os líderes do Comando Vermelho ou do PCC? Não me surpreenderia.

A propósito, estou pesquisando sobre o Foro de São Paulo. Paranóia, interpretação errônea ou a realidade?

quarta-feira, março 05, 2008

Incompetência? Interesse? Cegueira?
A dengue e as drogas

Parece que vale tudo para defender o colega. Uma pendenga entre dois países e um terceiro, que nada tem haver com a tal questão, praticamente declara guerra. E lá do outro lado. O evento deixou claro três erros diplomáticos, o quarto é do governo Brasileiro. O primeiro foi o da Colômbia em atuar militarmente em território Equatoriano, mesmo que tendo um bom motivo: caçar bandidos, seqüestradores, terroristas, narcotraficantes travestidos de guerrilheiros de movimento revolucionário. O segundo foi, ou é, do Equador (e da Venezuela) em claramente protegerem esses safados das FARC. O terceiro foi da Venezuela, ou melhor, do presidente venezuelano em se meter nos assuntos até então diplomáticos de dois países e quase iniciar um conflito armado no continente numa clara demonstração de sua necessidade patológica de aparecer. Finalmente o quarto erro, do governo brasileiro, em condenar somente um dos lados, a Colômbia, sem considerar a questão do apoio dado pelos outros dois governos aos criminosos das FARC. Cegueira? Agum interesse? Ou seria pura incompetência?

E ainda quer fazer parte do Conselho de Segurança da ONU?! Seria mais governo a fazer um desserviço à paz ao colocar interesses particulares, econômicos, e falsas ideologias acima da razão, da justiça e da ética. Se o governo brasileiro não condena a relação de Chaves e Corrêa com as FARC, nosso governo está apoiando um movimento que promove seqüestros, mantendo seres humanos presos durante anos a fio no meio da selva, isso sem falar no apoio que esse movimento dá ao narcotráfico. Isso mesmo. O mesmo governo que mobiliza uma Força Nacional de Segurança para atuar contra o crime organizado e tráfico de drogas nas comunidades do Rio, por exemplo, cria subsídios (com sua inércia, cegueira e incompetência) para que as drogas (e armas) alimentem os traficantes que combate. É um contra-senso, uma incoerência, um absurdo.

E com relação à invasão do território equatoriano pela Colômbia, faço a seguinte analogia: imaginem que seu vizinho tem uma piscina (ou algum outro lugar que acumule água); essa piscina fica encostada ao muro entre sua casa e a do vizinho; não é usada, estando abandona há tempos; o vizinho, por descuido, desinteresse, má-fé, burrice, ignorância, ou mesmo querendo te prejudicar, deixa que água acumule ali; aquilo se torna um ambiente perfeito para o desenvolvimento de ovos de mosquitos; em pouco tempo, não só pessoas de sua casa, como de toda vizinhança próxima (e alguns moradores da casa do estúpido vizinho) contraem a dengue. O vizinho, por razões só dele, não permite ou cria obstáculos para que os agentes de saúde (as autoridades) acessem o lugar onde fica a piscina com água parada e cheia de larvas. O que você faria? Eu subiria no muro, esticava meu braço, e largava um pouco de larvicida naquela piscina. Acabava com as larvas de mosquitos, antes que mais pessoas, de minha casa, da vizinhança e também da casa do vizinho que tão gentilmente protege as larvinhas na piscina de água parada como se fossem anjos. Estou errado? Sim. Talvez fosse melhor que eu, você, o vizinho, todos contraíssemos dengue.

As drogas, assim com a dengue, continuarão sendo um mal que assola a sociedade enquanto eu, você e o vizinho não fizermos nossa parte. Pense nisso!

terça-feira, março 04, 2008

Os gastos com a guerra

Li uma matéria de Bob Herbert do The New York Times sobre os gastos do Tio Sam com a guerra do Iraque. O cálculo, ainda em aberto já que o governo se esforça em esconder, está em torno de 2 trilhões de dólares. Repito, dois trilhões de dólares foram gastos, até agora, numa guerra insana iniciada em 2003. Estudiosos dizem que o montante atingirá a cifra de três trilhões, não apenas em razão de dados ainda não contabilizados, mas também pelo custo futuro com o direito pós-guerra de cerca de 700 mil soldados.

Fiquei pensando, imaginem se em 2003, ao invés de guerra, iniciassem um programa para alimentar todas as crianças do mundo, dando educação e possibilidade de crescimento sadio. Seria um programa global que contaria com uma verba de 2 a 3 trilhões de dólares. Um programa de paz, de vida.

Mas...

E a propósito das eleições. A matéria não deixa de analisar a situação do próximo governo. Bush foi na contramão do que a experiência histórica ensina. Ele cortou impostos e não diminuiu investimentos internos, mesmo com o custo de sua guerra subindo. Isso cria um déficit interno de assustar qualquer economista. Mas Bush não está nem aí. É um Bush mesmo!

Clique aqui. Em inglês.
Desculpa esfarrapada

Os EUA resistem em ações que ajudariam a diminuir as emissões de CO2. Dizem que arruinaria a economia, dizem que não há provas científicas do mal causado pelo aquecimento, dizem que é um complô contra seu país, dizem, dizem e dizem. Assim como diziam (e não é algo exclusivo dos EUA) muitas coisas no passado, como desculpa para protelar o fim da escravidão. Até mesmo o argumento que os negros escravizados estariam em pior situação na África. Deveriam continuar ali sob o chicote dos sulistas estadunidenses, sendo escravos.

É este o ponto de partida de um artigo publicado recentemente por Marc D. Davidson, do departamento de Filosofia da faculdade de ciências humanas da Universidade de Amsterdam, na Holanda. Com o título “Parallels in reactionary argumentation in the US congressional debates on the abolition of slavery and the Kyoto Protocol”, Davidson traça as semelhanças entre na retórica usada pelo congresso americano no passado (para não abolir a escravidão) e no presente (para não aderir ao protocolo de Kioto).

O artigo pode ser ligo na íntegra aqui. Em inglês. Para artigo relacionado e em português, clique.

Abstract: Today, the United States is as dependent on fossil fuels for its patterns of consumption and production as its South was on slavery in the mid-nineteenth century. That US congressmen tend to rationalise fossil fuel use despite climate risks to future generations just as Southern congressmen rationalised slavery despite ideals of equality is perhaps unsurprising, then. This article explores similarities between the rationalisation of slavery in the abolition debates and the rationalisation of ongoing emissions of greenhouse gases in the US congressional debates on the Kyoto Protocol. (full text - in pdf)

Resumo: Hoje em dia, os Estados Unidos são tão dependentes de combustíveis fósseis para manter seus padrões de consumo e produção como sua região Sul era em relação à escravatura em meados do século XIX. O fato de congressistas estadunidenses tenderem a justificar a utilização de combustíveis fósseis, apesar riscos climáticos para as gerações futuras, assim como no passado os congressistas sulistas justificavam a escravatura, apesar dos ideais de igualdade, talvez não surpreenda. Este artigo explora semelhanças entre as justificativas em torno da abolição da escravatura e das justificativas para as emissões de gases com efeito de estufa nos atuais debates no Congresso estadunidense sobre o Protocolo de Quioto.
"Um momento de liberdade"

Nas belas palavras de Paulinho da Viola, o Samba de Partido Alto é isso. "Uma forma de comunhão" onde a "arte mais pura é o jeito de cada um". A forte presença de Candeia, o abrigo animado que é a casa de Manacéia... Saudades de algo que não vivi, mas que hoje tenho oportunidade de assistir e imaginar e invejar e me divertir. Eis o documentário Partido Alto. Sambistas de ontem, de hoje e de sempre em "um momento de liberdade".

segunda-feira, março 03, 2008

Um Bush latino

Cháves quer briga, quer encrenca. E isso todos já sabiam. Pelo menos aqueles com o mínimo de massa encefálica em funcionamento. Alguns, claro, mesmo sabendo, são idiotas o bastante para não assumir (pelo menos publicamente) ou têm interesses nada nobres no caso. Ele se armou e esperou uma desculpa, mesmo que esfarrapada, para se movimentar num caminho de guerra.

Muitos elogiaram sua nobre atitude e postura ao negociar a libertação de reféns com as FARC. Nobre no sentido de que aquelas pessoas, seqüestradas e presas durante anos no meio da selva, foram libertadas. Mas a relação do pára-quedista com a organização terrorista não é nada nobre. É o que podemos comprovar com as mais recentes bravatas. Um dos lideres terroristas foi morto (o ideal seria ter sido preso e interrogado, mas foi morto e, assim como Sadan, não fará falta à humanidade) e o milico linha dura que quer ser rei condena a morte. Condenasse a operação, já desculpada por ser em território estrangeiro, tudo bem, mas condenar a morte de um terrorista que mantém mulheres e crianças durante anos sob cárcere privado... é demais. Não estou defendo a invasão de território alheio, como tudo indica parece ter sido o caso da ação colombiana no Equador. Também não defendo a execução sumária, a pena de morte, - e não afirmo que isso ocorreu; será que os bandidos estavam mesmo dormindo? - mas também não podemos ficar passando a mão na cabeça de criminosos terroristas.

Chaves é uma espécie de Bush na América Latina. Ele demoniza o presidente americano, mas não há diferença alguma entre os dois. Ambos são um mal para a paz. Ele quer guerra. Quer usar os brinquedinhos que comprou com o dinheiro do petróleo, para defender seus colegas bandidos. É como se um estadista estrangeiro, rico e com mania de grandeza, resolvesse defender uma facção criminosa tipo Comando Vermelho ou PCC. É absurdo. E mais absurdo ainda que as pessoas o defendam. Parece que para os revolucionários de plantão, qualquer um que seja contrário à política de Bush é bonzinho, é amigo.

Ele diz que “isso pode ser o início de uma guerra na América do Sul”. Não. É uma guerra dele, e de seus comparsas, que mais parecem cachorrinhos adestrados. A América Latina já tem problemas demais e não precisa de um encrenqueiro feito Chaves. E vou além. Pensem um pouco sobre o mal que as drogas causam a sociedade. Depois reflitam, com base em fatos: as FARC estão ligadas diretamente ao narcotráfico, à produção e distribuição de cocaína. Lembram da prisão de Fernandinho Beira-Mar? Logo, se um governo, uma pessoa insana, protege esses bandidos, está contribuindo para que mais pessoas sofram. Para mim é lógico, claro. Mas tem gente que não quer enxergar certas coisas.

sábado, março 01, 2008

Cadê a seriedade?

Li um texto interessante de Ruth de Aquino (redatora-chefe da revista Época) sobre a farra de ONGs no país. Ela começa citando Tim Maia, a quem chama de filósofo popular, que dizia "não pode dar certo um país em que prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme e traficante se vicia". Seguindo este raciocínio, ela comenta sobre o fato de Organizações NÃO-Governamentais (ONGs) serem sustentadas com dinheiro... do governo, público, meu, seu, nosso.

A cifra está na casa dos bilhões. Verbas sem o menor controle são direcionadas para tais organizações que se tornaram órgãos estatais sem controle do Estado, quando deveriam atuar em áreas onde o Estado, por imperfeição ou omissão, não atendessem. "Deveriam cuidar de questões periféricas, mas, em países como o Brasil, penetram nos serviços essenciais e viram apêndices do Estado", diz. Mesmo se houvesse controle, já seria esquisita essa forma de terceirização do Estado, sem licitação. Mas o que vemos são valores desviados muitas vezes para atender interesses particulares. Chegam ao ponto de adiantar valores, doam verbas para ONGs inexistentes, a exemplo do que fez o atual ministro do Trabalho, que acumula cargo de presidente de seu partido, a quem o Luiz da Silva chama de "o mais republicano dos ministros".

Para ler o texto, clique aqui.
Eu critico, tu criticas, ele não aceita críticas…

… mas Nós criticamos. Pelo menos Eu critico, ou melhor, lanço um olhar crítico sobre os atos do governo.

Eu havia escrito um post bem longo sobre isso, deixei nos rascunhos do Gmail e, por descuido (lê-se: burrice) apaguei. Mas não desisti de pelo menos comentar um pouquinho que seja. É sobre o Luiz da Silva e seu destempero.

Seria errado não reconhecer a situação privilegiada em que o Brasil se encontra, com crescimento em vários setores da economia e um achatamento da pirâmide social. Mas penso que seria mais errado ainda, assim como alguns o fazem, colocar o Luiz da Silva num pedestal e lhe creditar tudo o que hoje vemos de bom. Ele tem seu mérito, claro. Foi inteligente em muitos aspectos. Mas o atual presidente, em minha opinião, é parte de uma construção que se iniciou (olha o perigo) com Collor, seguiu Itamar, teve FHC e agora ele, Luiz da Silva, o Lula.

Lula chegou ao poder, e se manteve sendo agraciado com um segundo mandato, não porque é ex-operário e ex-sindicalista carismático, "do povo", mas essencialmente porque abandonou a retórica vazia de sempre ir contra a situação, estando então na oposição, e foi politicamente racional para seguir com o populismo (com programas bons, diga-se de passagem) sem romper com o caminho já traçado por seu antecessor e que tanto criticou e combateu. Além de ter se cercado de latifundiários e caciques do poder, até pessoas que tiveram ligações íntimas com a ditadura militar, o que lhe garante caminhar mais sossegado pelas trilhas do poder. Ao fazer isso a corrente não foi quebrada, manteve-se a confiança dos investidores, que antes tinham medo, o mercado se aquietou e as coisas ficaram relativamente tranqüilas para se trabalhar. Ponto para ele.

Hoje Luiz da Silva não perde oportunidade de tecer comentários, grosseiros por vezes, ao antecessor. Comparações absurdas ou despropositais como no caso do cartão corporativo (onde pareceu uma criança justificando o erro, pois o amiguinho também fazia) parecem ser uma mania. Chegou a taxar de "pé frio" o ocupante anterior de seu trono, num desrespeito que, infelizmente é aplaudido por muitos. Teve sorte, sim. Descobertas de reservas petrolíferas, mercado externo propício, mercado interno se aquecendo. O PAC, como já foi por vezes comentado, em suma é um pacote de projetos engavetados. Qual o motivo de não ter sido posto em prática antes? Não sei. Quem sabe um pouco de fraqueza da então situação, com interesses diversos, misturado com um tanto de obstáculos de uma oposição cega, que parece pregar a anarquia até que chegue ao poder. O fato é que está saindo do papel, ou pelo menos parece. Espero que saia, que se realize. Tudo isso faz crescer a popularidade do presidente, mesmo sendo leniente com a corrupção, sempre minimizando os atos escusos ocorridos em seu governo e praticados por seus próximos. O fato de, em de seus despautérios, ter de certa forma assumido os maus tratos aos presos como prática comum ao falar que “Se porrada educasse, bandido saía da cadeia santo”, também não atrapalha sua imagem. Parece estar blindado contra tudo.

Mas Luiz da Silva não aceita crítica, o que é mais difícil de aturar. O mais recente “evento” foi declaração direcionada ao Supremo Tribunal, que deixou perplexo o Ministro Marco Aurélio Mello. Perplexidade eu não sinto mais. Como disse, ele não aceita críticas e se permite ladrar impropérios sempre que quer, como uma criança mimada. Apesar de um discurso democrático tais atitudes me fazem crer que seu desejo seria governar ditatorialmente, com poderes absolutos sobre tudo e todos. Assim como já acenou o seu amigo Chaves e concretizou o aposentado do ano, Fidel, durante quase meio século.

Mas está tudo bem. Está tudo certo. A economia vai bem e isso é (ou deveria ser) bom para todos. Cresce o emprego, diminui-se a pobreza. A divida externa e a inflação parecem ser coisa que ficaram na história. Enquanto isso ele, Luiz, pousa de único salvador. Nessa, parece que nem o povo, do qual diz ainda ser parte, parece merecer um pouco de crédito.

Rio de Janeiro. Belezas e Mazelas

O Rio de Janeiro conta com pontos turísticos naturais e outros tantos frutos de trabalhos arquitetônicos e paisagísticos.  O descaso do...