quarta-feira, novembro 20, 2013

Segregação continua de outros modos

Injustiça sofrida por negros ainda incomoda muitos brancos. Comentário de Mario Sérgio Cortella

Um "dia" que incomoda muita gente

Uma busca simples por "Dia da Consciência Negra" no Twitter e é possível ter noção de como o ser humano pode ser pequeno e limitado. A ignorância e a estupidez são tão ou mais arraigadas que o preconceito, e com certeza bem menos veladas que o racismo (ainda mais em tempos de internet).

sábado, novembro 16, 2013

A hibernação da CCJC, os crimes hediondos e a nossa atenção

Em 2009 um menino com seus 10 anos, foi violentado e assassinado. Um crime bárbaro contra um ser humano, contra uma criança. Um crime hediondo. O monstro foi preso.

Naquele mesmo ano o Deputado Federal Valtenir Pereira (PSB/MT), apresentou uma Proposta de Emenda à Constituição (a PEC 364/2009). A proposta previa o cumprimento de pena em regime integralmente fechado ao autor de crime hediondo, alterando o XLIII, do artigo 5° da Constituição Federal. Leiam aqui o inteiro teor da proposta, para um entendimento do que se espera com essa PEC.

A proposta foi apresentada em plenário no dia 14/05/2009, aproximadamente um mês após o crime.

Em 20/08/2009, o relator, o então Deputado Federal Ciro Nogueira (PP/PI), da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), apresentou parecer pela admissibilidade da proposta. Leiam o parecer aqui.

Achou rápido? Eu também.

Porém, e parece sempre existir um porém... Durante mais de 520 dias todos parecem ter esquecido. Uma inércia de aproximadamente um anos e meio.

Até que, em 31/01/2011, com o fim da legislatura e com base no artigo 105 do Regimento Interno da casa, a proposta foi arquivada.

Quinze dias depois o autor da proposta requisitou o desarquivamento, solicitação atendida em 17/02/2011.
Um novo relator foi designado em 11/11/2011. Deputado Edson Silva (PSB/CE), da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC).

Desta vez a hibernação foi de quase dois anos. Mais de 720 dias.

Vale registrar que o Deputado Edson Silva se licenciou por dois períodos nesta legislatura. Está em sua biografia no site da Câmara. "Licenciou-se do mandato de Deputado Federal, na Legislatura 2011-2015, em Licença Conjunta Consecutiva por 130 dias, de 21 de março de 2012 a 28 de julho de 2012, e em Licença Conjunta Consecutiva por 128 dias, a partir de 16 de setembro de 2013." No momento, ele não exerce a atividade parlamentar, estando licenciado. Se o primeiro período de licença teve início em 21/03/2012, o relator nada fez durante aproximadamente três meses.

Em 07/11/2013 a proposta foi devolvida "sem manifestação". A inércia da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados foi espantosa.

Dois anos para designar outro relator, o Deputado Felipe Maia (DEM/RN). Veremos.

Os holofotes da mídia e o clamor popular parecer colaborar e muito para acelerar a atuação de nossos parlamentares. Mas o silêncio e falta de cobrança, o esquecimento mudo, parece colaborar para um ambiente de hibernação de nossos representantes.

De:
XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem; (...)

Para:
XLIII – a lei considerará crimes inafiançáveis, insuscetíveis de graça ou anistia, devendo a pena ser cumprida em regime integralmente fechado, a prática de tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem; (...)

Em memória de Kaytto Guilherme. 

segunda-feira, outubro 28, 2013

Uma década de bolsa

O programa Bolsa Família completa 10 anos. O benefício cresceu, e sem controle. Quando penso no objetivo do programa, sinceramente, não me coloco contra. Uma "transferência direta de renda que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o país"... Um país tão rico e ainda possui cidadãos em condição de extrema pobreza! É preciso fazer algo, e urgente.

Mas esse imediatismo natural numa situação tão grave, tão crítica, tão triste, não nos pode cegar, não pode turvar nossa visão para o que é óbvio.

Existem pessoas na minha família que são beneficiárias do Bolsa Família. Não posso dizer que é algo que me faz ter orgulho. Já vivi situações difíceis e sei o quão pode ser significante esse benefício para algumas famílias.

Mas também sei o quanto algo aparentemente tão bom pode ser deturpado. Acomodação. Apatia. Ignorância sobre o real significado de um programa como este. Uso impróprio (acreditem ou não, mas existem casos de uso de parte do benefício para o dízimo de algumas Igrejas!). 

A bolsa, em muitos casos, parece que se integrou de tal maneira a vida das pessoas, e de maneira tão perniciosa que nos faz refletir sobre até que ponto o auxílio vira uma armadilha.

Quando se discute o fato de pessoas estarem a tantos anos "presas", "dependentes" do benefício, o governo parece minimizar. E aí começam com a velha ladainha de que quem crítica está contra os pobres, contra o país, blábláblá. Pura estupidez, pura idiotice. Mas, infelizmente, ganha crédito.

Eu uso as ferramentas de transparência. Pesquiso e reflito sobre os dados e as informações que consigo em diferentes fontes. E recentemente pesquisei sobre o Bolsa Família em Mesquita.

Alguns dados:
Em 2010, a população de Mesquita era de 168376 pessoas, segundo o IBGE. Neste mesmo ano, segundo informações do Portal Transparência, o número de beneficiários do Bolsa Família foi de 10208.
Em 2013, a população estimada para Mesquita é de 170185 pessoas, também segundo o IBGE. E segundo o Portal Transparência, o número de beneficiários do Bolsa Família é de 11976.
A primeira coisa que se observa é que tanto a população como o número de beneficiários do programa aumentou. Mas...
De 2010 para 2013, a cidade de Mesquita ganhou 1809 habitantes. Um aumento de aproximadamente 1%
No mesmo período, o número de beneficiários do Bolsa Família aumentou em 1768. Um aumento de  aproximadamente 17,3%.

Esses são os números. Alguns deles.

sábado, outubro 26, 2013

Financiamento (à revelia) de campanha eleitoral

Muito se discute, mas ainda não foi implantado – pelo menos em lei – o financiamento público de campanha eleitoral. Ainda tramita no Senado Federal PROJETO DE LEI Nº 268/2011.

A [falta de] qualidade de boa parte de nossos políticos me faz duvidar da eficácia de uma lei como essa. Mas não tenho uma opinião totalmente formada a respeito.

E como eleitores, nós também devemos aprimorar nossas escolhas. Como cidadãos, devemos aprender a utilizar as ferramentas existentes para controle e acompanhamento do que é nosso. Devemos fortalecer nossos direitos e também nossos deveres. Se é certo que tenho direito a uma cidade limpa, é igualmente certo que tenho o dever de manter essa cidade limpa!

Fala-se muito em corrupção do ente político, no atacado, mas se minimiza ou se ignora por completo a corrupção daquele que escolhe o mesmo ente político (o cidadão, o eleitor), no varejo.

Mas voltando ao financiamento público de campanha eleitoral...

Esse financiamento já ocorre e muitos nem se dão conta. Fica mais evidente nos meses que antecedem as eleições. Nossos representantes (eleitos democraticamente) usam verbas de gabinete para estreitar o contato com sua base eleitoral. Quem paga isso? O partido? A coligação? Não. Sou eu, é você. É dinheiro público! Apesar de alocado como uma rubrica bem distinta e específica (discutível, claro), é o mesmo dinheiro que poderia (deveria) ser usado para levar saneamento e consequente saúde e qualidade de vida àquele que é obrigado por lei a exercer seu dever de cidadão, em períodos de dois em dois anos. E que, por ironia, pode ter contribuído para eleger (democraticamente) o mesmo representante que usa a verba de gabinete para estreitar o contato com sua base eleitoral. É um ciclo. É causa e efeito.

Podemos comprovar o financiamento público de campanha de forma mais evidente ainda, eu diria até escandalosa, no modo como a Presidente da República Federativa do Brasil tem usado a mídia e os recursos e as ferramentas de Estado (pelo menos deveriam ser de Estado, e não de Governo, ou do Partido) para fazer sua campanha antecipada.

Cresceu o número de entrevistas em rádio, o número de aparições, os pronunciamentos, os anúncios, as propagandas... O leilão (?) do Campo de Libra foi um exemplo. Aquela aparição em rede nacional foi campanha antecipada. E não foi das mais sutis.

E quem financia isso tudo. O ParTido? O cartel político que forma a base aliada (a propósito, aliada a quê? aliada para quê?)? Hummm, eu acho que não.

Se já não fosse grave estarmos financiando uma campanha eleitoral velada (ou explícita) com vistas a 2014, ainda financiamos uma campanha de governo, política e partidária. À revelia.

terça-feira, outubro 15, 2013

DECIDAM e SAIBAM o que estão fazendo

Hoje, no ônibus indo para o trabalho, li um texto (Deveríamos queimar o rabo do Tio Sam?) do Bukowski no livro “Pedaços de um caderno manchado de vinho” (L&PM Pocket) e, vejo que o velho Hank sempre me surpreende pela sua atualizade. Ainda mais num texto que me parece tão atual.

"O grande esforço de suas mentes não deve ser como destruir um governo, mas sim como criar um governo melhor..."

Meu ponto é que já ouvi gritaria similar a essa que agora toma as ruas antes, e tudo isso não deu em nada. Houve traições e viradas em abundância. As pessoas tinham comida em suas barridas. As pessoas tinham feito dinheiro na guerra. A Rússia aliada passou a ser a Rússia inimiga. Joe Stalin, agora que o mundo tinha sido salvo, dava uma de Hitler com seu povo. Mais uma vez – como sempre – os intelectuais tinham sido enganados. A realidade superou a teoria. A ganância e a mesquinhez humanas se tornaram história. A proclamada bondade do homem revelou-se um belo golpe. Traição. Documentos. Conversa para boi dormir. (…) A Direita estava de volta. Mas como? Não tinham sido destruídos na Segunda Guerra? Cada homem era suspeito. “Vocês nunca participaram do Partido Comunista? Não éramos a maioria de nós?” Mas ninguém nunca disse isso. (…)


Agora mais uma vez os intelectuais gritam “Revolução”. Um banco é incendiado. A IBM sobre um atentado, um companhia telefônica também, e outros lugares… Policiais são apedrejados; seus carros queimados; policiais são mortos, policiais matam – sempre acontece. (…) Garantiu a eles mais um dia. Bem, vocês podem e perguntar, qual é o meu PROPÓSITO? Bem, sou um fotógrafo da vida, não um ativista. Mas antes de se decidir por uma Revolução tenham certeza de que vocês têm uma voa chance de vencer – com isso, me refiro a uma vitória pela violência. Antes de isso acontecer vocês precisão promover alguma revolução dentro dos ranques da Guarda Nacional e da força policial. Isto não acontecerá em nenhum grau. Então é preciso fazer isso através dos votos. (…) 

A essa altura já há muitas pessoas temendo por seus empregos, há muitas pessoas comprando carros, aparelhos de tevê, casas, créditos estudantis. Crédito e propriedade e um trabalho de oito horas são grandes amigos do Establishment. Se vocês precisaram comprar coisas, usem apenas dinheiro, e só comprem aquilo que tenham real valor – nada de bugigangas ou engenhocas. Tudo o que vocês possuem deve caber dentro de uma mala; só então suas mentes poderão estar livres. E antes que vocês enfrentem as tropas nas ruas, DECIDAM e SAIBAM o que estão fazendo, quem colocarão no lugar dos que ao estão e por quê. Slogans românticos não farão o serviço. Tenham um programa definido, com palavras charas, pois se vocês VENCEREM terão um forma de governar decente e adequada. Pois tenham em mente que em todos os movimentos há oportunistas, gente ávida de poder, lobos sob vestes Revolucionárias. São esses os homens que derrubam uma Causa. 

Estou do lado dos que querem um mundo melhor, para minha filha, para mim mesmo, para vocês, mas é preciso ter cuidado. Uma mudança no poder não significa uma cura. Entregar o poder às pessoas não é uma cura. O poder não é uma cura. O grande esforço de suas mentes não deve ser como destruir um governo, mas sim como criar um governo melhor. Não sejam mais uma vez enganados e aprisionados. E se vocês vencerem, tenham cuidado com o governo que seja mais Autoritário e que acabe por deixá-los numa situação mais opressiva do que a anterior. Não sou exatamente um patriota, mas apesar de todas as enormes e fodidas injustiças ainda se pode expressar uma opinião e protestar e agir num amplo espectro social. Digam-me, poderia eu escrever um texto contra o governo DEPOIS que vocês assumirem? Poderia ficar nas ruas e parque e dizer a vocês o que eu penso? Espero que sim. Mas sejam cuidadosos se for para perdermos esse direito em nome da Justiça. Peço que me apresentem seu programa para que possa escolher entre o de vocês e o deles, entre a Revolução e o governo existente. Será que não me colocarão para cortar cana? Isso me deixaria bastante chateado. Por acaso a construirão novas fábricas. Teriam meus escritos, minha música, minhas pinturas que leva em conta o bem-estar do Estado? Deixariam que eu ficasse largado em parques e cubículos bebendo vinho, sonhando, me sentindo bem e tranquilo? (…)


segunda-feira, outubro 14, 2013

Um equívoco que se espalha fácil

Recentemente o PROCON-RJ fez algumas operações, bastante divulgadas na mídia, em supermercados e outros estabelecimentos comerciais. O foco: alimentos. Achei ótimo. É realmente revoltante ver produtos fora da validade sendo vendidos ou estocados, pondo em risco a saúde (e a vida) das pessoas. Não sei lhes dizer se tais operações renderam multas ou a merecida cadeia para os donos e gerentes desses estabelecimentos, espero que sim.

Mas, apesar do elogio ao PROCON, aproveitarei este espaço para chamar a atenção desse órgão e de alguns veículos de comunicação, quanto à importância de se pesquisar (minimamente que seja) informações divulgadas e que podem ser tomadas como verdadeiras.

Este fim de semana, lendo uma matéria no portal do jornal O Dia (clique aqui) me deparei com a citação de uma lei. Raramente leio uma matéria que cita uma lei sem ir buscar a tal lei, com quem conhece mais ou, claro, na internet. Foi o que fiz. Não encontrei citação de uma lei, e sim de um projeto de lei.

O projeto de lei, pelo que descobri, ficou só no… projeto.

Foi arquivado. E por inconstitucionalidade, segundo parecer do relator.

Antes de ser citada naquele jornal, a mesma “lei” foi divulgada no site do PROCON-RJ, numa matéria (clique aqui) que ainda destaca o que saiu na mídia sobre as operações.

A lei estadual Nº 2637/2009, na verdade foi um projeto de Lei (mesmo número) que, como disse, e pode ser conferido aqui, foi arquivado por inconstitucionalidade.

O Dia, O Globo, G1 e outros, seguiram o PROCON-RJ e usaram a informação errada. Ninguém, pelo visto, pesquisou.


O parecer do relator cita a “Instrução Normativa n° 83, de 21 de novembro de 2003, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que dispõe acerca dos “Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade de Carne Bovina em Conserva (Corned Beef) e Carne Moída de Bovino”.” Mas também existe aqui no Estado do Rio, um Decreto (pelo visto ainda em vigor) que, em seu artigo 117 diz que “Nos estabelecimentos que comercializam carnes, será facultada a venda de carne fresca moída, sendo feita esta operação, obrigatoriamente, em presença do comprador, ficando, porém, proibida mantê-la estocada, nesse estado.” O que bastaria. 

Trata-se do Decreto Estadual nº 6.538 de 17 de Fevereiro de 1983, que pode ser lido aqui ou aqui.

domingo, outubro 13, 2013

"No drug, not even alcohol, causes the fundamental ills of society. If we’re looking for the source of our troubles, we shouldn’t test people for drugs, we should test them for stupidity, ignorance, greed and love of power"

- P. J. O’Rourke

Três contentamos e muitos pensamentos

Sábado de Sol. Dia 12 de Outubro de 2013. Dia das Crianças. Dia de Nossa Senhora Aparecida. Oxum.
  
No dia anterior o cardápio foi planejado, mentalizado. Galetos devidamente temperados, acondicionados e prontos para a viagem. Na manhã, antes de partir, saio às compras do restante dos ingredientes. Tudo pronto, metrô para a Central do Brasil e trem ramal Japeri, parador, para Nilópolis. Desta vez não será em Mesquita. Assim como há dois anos, a casa de minha Tia avó servirá de base. Neste dia da manutenção de uma tradição de outra Tia avó, já falecida e sobre a qual já falei aqui neste blog, um encontro em família

Este é o primeiro dos contentamentos daquele Sábado. Família. É certo que poucos membros, uma vez que nada foi combinado para aumentar as proporções do encontro. Mas valeu. Como devem saber (se não sabem, que fiquem sabendo agora), eu gosto muito de cozinhar. Algumas vezes tenho sucesso, outras vezes não. Dessa vez eu fui feliz. Os galetos temperados de véspera ficaram muito bons e melhor ainda fui a satisfação de minha família, que elogiou o prato. O salpicão de frango defumado e salsão também agradou bastante. 

A tradição sobre a qual falei é a distribuição de doces no Dia das Crianças. Uma tradição que a cada ano tem sido enfraquecida pelo preconceito e ignorância que muitas Igrejas têm instigado nas pessoas. É com grande tristeza que percebo que instituições que deveriam propagar coisas boas estão sendo usadas para difundir visões deturpadas, preconceituosas, limitadas, desagregadoras e até amorais entre as pessoas. O mais cruel é que boa parte dessas pessoas são crianças, que desde cedo começam a olhar o mundo através de um véu tecido pelos preconceitos e ignorâncias de instituições ditas religiosas. Instituições essas que são auxiliadas pelo poder público. Precisamos de um novo Iluminismo. 

Mas o foco aqui é contentamento. E, apesar de enfraquecida pela ignorância, a tradição de minha querida Tia Perpétua foi mantida. Sua benção minha Tia. E obrigado!

O segundo contentamento daquele dia foi descobrir que a criminosa e desrespeitosa empresa de ônibus Trans1000 finalmente foi impedida de circular e substituída. Pode parecer algo simples, mas só quem conheceu o desserviço prestado por essa organização criminosa travestida de empresa de ônibus pode saber o que significa isso. É certo que o DETRO demorou até demais em fazer seu serviço, mas não deixo de ficar feliz em saber que a população de Nilópolis e Mesquita (parece que ainda operam uma linha lá) não precisarão mais ficar a mercê das armadilhas em forma de veículos operadas pela Trans1000.

O terceiro contentamento, que na verdade foi o cronologicamente primeiro, foi saber que ainda podemos contar com o profissionalismo dos oficiais da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. 

Primeiramente saibam que não sou da turma que julga o todo pela parte. Desses que se acham cidadãos conscientes e engajados e esclarecidos e ficam bradando que a PM é isso, a PM é aquilo, julgando (e condenando) a instituição a partir de atos criminosos de alguns de seus membros. 

Voltando ao caso específico… Central do Brasil. Japeri parador, partindo às 10 da manhã. Transporte de massa. Um bem público, operado sob o regime de concessão, mas um bem público. Deve ser preservado e conservado. E culpar a concessionária por todas as mazelas é algo típico de pessoas ignorantes, oportunistas e aproveitadoras. Muitos dos usuários contribuem para o que vemos no dia a dia. Composições sujas, pichadas, quebradas. Viagens que se tornam mais difíceis e desconfortáveis pela atitude e postura e comportamento de pessoas que, ali, acham que seus direitos (ou melhor, suas vontades) se sobrepõem à lei vigente. Acham que seus direitos (ou suas vontades e manias) são maiores que seus deveres enquanto cidadãos e mais importantes e justas que os direitos dos demais cidadãos. 

Sempre me bate uma incompreensão ao ver usuários de transportes públicos não zelarem pela conservação daquele meio de transporte. É algo como cuspir no prato que comem. É se boicotar. Ao entrar vi um desses cidadãos com o pé apoiado confortavelmente sobre um banco. Ao sentar, longe dele, me deparo com duas outras cidadãs, ambas como se estivessem no conforto de suas salas, com suas pernas ocupando cada uma três lugares. 

Eis que entram dois policiais militares, uniformizados, a serviço, cumprindo suas obrigações constitucionais, fazendo o que se espera que façam, fazendo o que são pagos (por mim, por você brasileiro, por aquelas duas cidadãs) para fazer. Um deles, educadamente, profissionalmente, aborda as cidadãs e pede que retirem os pés dos bancos. Nesse momento as infratoras (cidadãs ainda, mas pegas em flagrante numa infração ao bem público) tomam os policiais como inimigos. Para elas aquilo era um absurdo, era um desrespeito, um excesso (aliás, agora parece que virou a palavra da moda… fora os casos certos e claros onde houve excesso, algumas pessoas acham que cumprir a lei, defender o patrimônio público, zelar pela segurança, virou… excesso). Ambas resistiram e, ao contrário do policial que fez a abordagem, de forma grosseira e desrespeitosa. Mas, apesar da pirraça, elas obedeceram.  

Inevitável lembrar a comparação do policial ao questionar se aquela cidadã se comportaria daquela maneira no metrô. É interessante como o trem se tornou terra de ninguém para alguns, local onde podem fazer cada um a sua própria regra. Não pode ser assim e conto com o aparato de segurança do Estado para que tais absurdos não se repitam.

A pirraça e as palavras grosseiras entre elas e sobre os policiais em particular e a PMERJ no geral continuaram. Agora ambas, apesar de claramente não se conhecerem, se tornaram amigas. Compreensível.  

Eu, olhando aquilo tudo, fiquei contente. Tive vontade de cumprimentar ambos os policiais. De dizer obrigado. 
A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro conta, sim, com pessoal qualificado para cumprir seu papel. Com relação às frutas podres, essas que sejam devidamente extirpadas da corporação e, dentro de nosso tão importante e pouco respeitado regime democrático de direito, incorporadas ao cárcere quando este for o caso.

Esses mesmos policiais atuaram em outra infração pouco tempo depois. Quando outro cidadão, que achava que seus direitos estavam acima dos demais, acima das regras estabelecidas e acima da lei, fazia manifestação religiosa enquanto pedia dinheiro para alguma instituição que, segundo ele, cumpria um papel espiritual e cristão  e social e blábláblá e não era auxiliada pelo Estado. Discurso estúpido e lamentável. Foi devidamente e profissionalmente abordado por um dos policiais que, pelo que foi dito, o reconheceu uma vez que já o havia abordado cometendo a mesma infração. 

E esse foi o terceiro contentamento do dia. Como podem ver, mais uma coisa simples, o cumprimento da lei.  

quinta-feira, agosto 29, 2013

Vandalismo político

Mais uma vez a Câmara dos Deputados debocha dos brasileiros. Protegidos pelo execrável voto secreto, os deputados inocentaram um bandido. O criminoso foi condenado pela Justiça e seus colegas deputados "disseram": a Justiça não importa nesta casa!

Nenhum sistema é perfeito. E não seria diferente com a Democracia. Isso mesmo, ela não é perfeita. Mas é coerente.  Isto é. Consideremos que entre nós, brasileiros, existem não apenas cidadãos inocentes e éticos, mas também culpados e corruptos. Consideremos que num sistema democrático pressupõem-se direitos iguais. Consideremos que um desses direitos é o de se candidatar a cargos públicos. Logo, seria coerente corrêssemos o risco de termos determinadas figuras indesejadas como nossos representantes.

Algo muito prezado em nossa imperfeita democracia é o direito de livre manifestação. E quando penso nos eventos recentes que ocorrem por todo o país, não posso deixar de fazer um paralelo com a recente vergonha a que os deputados nos sujeitaram quando cuspiram na cara da Justiça e da Ética.

Tenho criticado bastante a covardia de alguns ditos manifestantes (aliás, a imprensa deveria parar de chamar criminoso de manifestante... vândalo é criminoso!) quando escondem o rosto para, aproveitando-se de um ato de protesto por um Brasil melhor, depredam o patrimônio público e privado; cerceiam nosso direito de ir e vir; sujam as ruas espalhando lixo, ateando fogo; desacatam oficiais da segurança pública; vandalizam nossa cidade, vandalizam nossa cidadania e, mais que isso, vandalizam nossa já imperfeita democracia.

Dizem que esses marginais “protestam”, dentre outras coisas, contra a corrupção na política (como se ser corrupto fosse uma "doença" que acometesse somente quem ocupa cargo público). Pergunto: qual a diferença entre esses e aqueles sobre os quais falei acima? Se existe, são poucas. Vamos às similaridades.

O vândalo se esconde atrás de máscaras, cobram o rosto com camisas, lenços, etc.
Os políticos se escondem atrás do voto secreto.

O vândalo, quando os agentes de segurança pública conseguem prendê-los, pouco tempo ficam numa delegacia. Seus iguais se manifestam. Advogados aparecem.
Os políticos... idem.

O vândalo se acha no direito de fazer o que faz, justifica suas ações pelo bem da sociedade, se isola numa ética totalmente própria que obedece a seus interesses.
Os políticos... idem.

Então, vamos mantendo essa tal coerência em nossa imperfeita democracia, com as máscaras e o voto secreto, assim como aqueles que os usam como escudo, os vândalos e os políticos. Dois seres tão antagônicos e ao mesmo tempo tão parecidos, tão próximos em sua "maneira de ver o mundo".

quarta-feira, agosto 28, 2013

O atendimento tá brabo

As vezes me recrimino por evitar algumas lojas. Mas é só entrar numa que me lembro a razão. O atendimento está cada vez pior. Se é que podemos dizer que ainda existe atendimento ao cliente "presencial". Horrível, né? Mas por vezes vejo ser necessário diferenciar. Posso ter tido um ou outro problema ao comprar via internet. Mas tais problemas não são "de atendimento". Acho que os ditos atendentes que trabalham nas lojas deveriam aprender e ter sempre em mente que estão ali para... atender ao cliente. Estão ali para prestar um serviço de atendimento.... ao cliente. Devem (ou pelo menos eu, inocente e bobo, penso que deveriam) fazê-lo com profissionalismo. E que tal com simpatia, educação, diligência, presteza. Não quero puxa-saco me importunando na loja, mas exijo que alguém tenha a capacidade de tirar duvidas simples.

Hoje, por exemplo, caí na besteira de entrar na Casa&Vídeo da Rua Uruguaiana. Percorri todo o primeiro piso e não encontrei ninguém que me ajudasse. Ninguém! Resolvi abordar os atendentes exclusivos para os celulares (sabendo disso, que fique claro). Nada! Não sabiam se existia alguém disponível na loja que cuidasse (atendesse) a área de eletro-eletrônicos. 

Resolvi abordar um segurança que mal sabia articular as frases e me olhou como um inimigo (não um em potencial, mas 'o inimigo'). Me indicou um rapaz que estava muito apressado para fazer o que lhe competia (atender) e acabei desistindo. Ao sair, comentei para mim mesmo sobre a falta de atendimento e, ao ouvir, o tal segurança falou algo muito certo: "É, o atendimento aqui tá brabo merrmo, tá brabo!".

Lojas virtuais podem ser mais humanas e sociáveis que muitas lojas convencionais. 

Tá brabo!

terça-feira, agosto 20, 2013

Os mitos da felicidade



Na semana passada a "Palavra do Dia", serviço oferecido pelo Aulete Digital, teve como tema "Os mitos da felicidade". Achei bastante interessante e resolvi compartilhar aqui no TUIST. Em conversa recente sobre "isso" eu comentei que o conceito de felicidade é algo bem pessoal. Cada um é feliz a sua maneira, no seu momento, na sua intensidade. Pessoalmente não creio que a condição "feliz" seja algo permanente. O ser humano, por natureza, é inconstante. E essa inconstância penso que se reflete nos seus sentimentos. Nessa mesma conversa comentei que fiquei feliz ontem quando, indo para casa, olhei para o céu e vi a Lua, cheia, linda. Os atos de gentileza, os sorrisos, as boas conversas. Coisas simples...

Mito
Um mito é uma crença popular ou tradição que se desenvolvem em torno de algo ou alguém. Em “Os mitos da felicidade”, a autora, Sonja Lyubomirsky, trata de desconstruir as crenças de que determinadas conquistas da vida adulta, como o casamento, ou o emprego dos sonhos, por exemplo, nos deixarão felizes para sempre. A autora também desmistifica a crença de que certos fracassos, como problemas de saúde ou financeiros, nos deixarão infelizes para sempre. Dentre os mitos desmistificados pela escritora estão a noção de que “eu serei feliz quando...” e “não poderei ser feliz se...”.

Hedonismo
De acordo com a psicologia, o hedonismo é uma teoria segundo a qual o comportamento humano seria motivado pela busca do prazer e a tentativa de evitar o desprazer. Em “Os mitos da  felicidade”, a autora aborda um conceito científico conhecido como ‘adaptação hedonista’, ou seja, a capacidade que os seres humanos têm de se acostumar com a maioria das mudanças da vida. Esse conceito também explica por que a alegria da vitória e a tristeza das derrotas diminuem com o tempo.

Expectativa
A expectativa é uma espera ansiosa de algum acontecimento promissor. Em seu livro, “Os mitos da felicidade”, a autora convida o leitor a entender se suas expectativas são realistas ou se ele está sendo exigente demais no casamento ou na sua atuação como pai ou mãe, por exemplo. A autora explica ainda que, conforme o ser humano se acostuma com as mudanças positivas do seu dia a dia, suas expectativas tendem a aumentar e muitas vezes se tornam excessivas. Assim, ela mostra a importância de se avaliar os objetivos e sonhos de maneira realista e otimista, de forma a aprender com as dificuldades.

Cognição
A cognição é o conjunto dos processos da mente envolvidos na percepção, na representação, no pensamento, nas associações e nas lembranças. Em “Os mitos da felicidade”,  a autora apresenta a psicologia cognitiva, que estuda o que há por trás de cada comportamento. Os psicólogos cognitivos usam o termo ‘rede semântica’ para se referir às ligações que há entre nossas memórias e pensamentos. Assim, a autora aborda a forma como alguns estados, como a desilusão no casamento, por exemplo, podem estar interligados a uma rede de memórias negativas e suposições pessimistas. A psicologia cognitiva trabalha de forma a infundir na rede semântica emoções positivas que enfraquecerão as conexões entre as memórias e os pensamentos negativos.

Prognóstico
Um prognóstico é uma suposição sobre processos ou resultados futuros baseada nas condições vigentes e em um esperado desempenho dos fatores atuantes. Em “Os mitos da felicidade”, a autora sugere que nós reexaminemos os prognósticos sobre o que pode acontecer no nosso emprego atual, de forma a aprendermos a repensar e contestar os prognósticos negativos. Assim, a autora nos convida a pensar positivamente sobre o futuro, pois só assim saberemos se nossa experiência no emprego atual é verdadeiramente desprezível ou razoável.

Intuição
A intuição é uma forma de conhecimento imediato, independente de qualquer processo de raciocínio. Assim, de acordo com a autora de “Os mitos da felicidade”, nosso sistema intuitivo se vale, normalmente, de atalhos mentais rápidos e superficiais ou de regras gerais. Equivocadamente, os julgamentos intuitivos são interpretados como premissas ou fatos consumados, pois parecem emergir de maneira espontânea. Portanto, as reações iniciais aos momentos críticos estão contaminadas por nossa parcialidade intuitiva.

sábado, agosto 17, 2013

Esperança

Recentemente enviei um poema de Augusto dos Anjos para uma amiga. O soneto Versos Íntimos começa assim

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.


Não pensem que foi algo para ofendê-la. Vivemos numa implicância mútua. Nesse dia eu comecei a expor minhas desesperanças. E terminei por lembrar de alguns versos bem ácidos que mostravam como estava me sentindo. Augusto dos Anjos, Bukowski...

A resposta dela, consciente ou não, veio alguns poucos dias depois daquelas implicâncias. E na forma de um clipe do Playing for Change com a música What a Wonderful World.

Valeu QC!

What a Wonderful World | Playing For Change from Playing For Change on Vimeo.

Que saudades que...

Tenho ou sinto? Saudades. Penso que por vezes a tenho, por vezes a sinto. E me dou conta de que isso não é tão absurdo assim. Se refletirmos, veremos que muitas coisas que temos (ou achamos que temos) nem sempre as sentimos. Por outro lado, sentimos tantas coisas que, a bem da verdade, não temos. E assim vivemos. De posse de nossos sentimentos. Sentindo ou tentando sentir o que possuímos, ou pensamos possuir.

Mas a "saudade" que me traz de volta ao depois de tanto tempo sem escrever para o TUIST é justamente... do tempo em a inspiração e a a disposição para a escrita eram maiores. 

Talvez já tenha comentado aqui o quanto a leitura e a escrita me são importantes. A primeira, mais antiga, foi minha salvação quando tudo a minha volta favorecia coisas negativas. Os livros me proporcionaram os necessários momentos de isolamento daquele mundo hostil. Uma ilha de calmaria rodeada de mar bravio.

Mais tarde, a escrita, neste blog, me proporcionou momentos de reflexão, momentos de introspecção. Além de foco e disciplina. 

Eu li. Eu escrevi. Infelizmente não li tanto... e também não escrevi o bastante.

Mas desanimei bastantes. Principalmente nos últimos meses. Talvez sejam coisas que tenho, ou penso que tenho, ou que já não tenha. Talvez sejam coisas que sinto.

Mas, como costumo brincar, o pulso ainda pulsa.  




quinta-feira, julho 25, 2013

#JMJ

Nos últimos dias presenciei cenas muito bonitas, muito emocionantes e, acima de tudo, muito humanas no melhor sentido da palavra. Pessoas de diversas nacionalidades; jovens em sua maioria, muito jovens. Em grupo, percorrendo as ruas da cidade, muitas cantando, portando bandeiras de seus respectivos países, alegres, animadas, felizes. Quando se encontravam, os grupos se cumprimentavam, trocavam bandeiras, camisetas, quebravam a barreira do idioma e se comunicavam como se conhecessem uns aos outros e estivessem se reencontrando após um longo tempo.

Em tempos onde na maioria das vezes as pessoas se ignoram, se escondem em seus mundos, se isolam e se afastam, as cenas foram particularmente importantes no sentido que me fez perceber que ainda podemos nos comportar com humanidade. Esperança.

A Jornada Mundial da Juventude é um dos eventos mais impactantes, mais belos que já vi. E, com certeza, repleto de significado.

Importante também, ainda num desabafo bem pessoal, pois tudo isso ocorre num momento de extremo desanimo. 

domingo, maio 05, 2013

Concursos nossos de certos domingos


Já reparam como são bonitos os dias de concurso público? Quase sempre tendo uma noite anterior enluarada e quente, com várias propostas de cerveja e outras tentações que terminam tarde da noite, ou pela manhã, levando suas forças e sua disposição e, no lugar, deixando um dor de cabeça persistente, e sono, muito sono. Geralmente são dias de sol, de céu azul… Bem convidativos para uma praia, uma caminhada, um churrasco… um chopp. Sabe como é… uma coisa leva a outra. Tudo, menos ficar uma manhã ou, algumas vezes uma manhã e uma tarde, numa sala com pessoas que (verdade seja dita e pelo menos naquele momento) não querem o sucesso uma das outras. Além disso, mais que candidato, você é suspeito. Por isso mesmo, será atentamente observado, seus movimentos serão acompanhados de perto por várias pessoas.

Hoje foi um desses domingos. Com certeza deu praia. Como me preservei na noite anterior, eu acordei cedo e fui concorrer a uma vaga, ou melhor, a uma possível vaga (o malicioso cadastro de reserva) numa empresa pública.

Se no mundo “normal” as pessoas encontram amigos num dia de sol, seja na praia, no parque, na rua, num bar, no mundo dos concursos não é diferente. É comum ouvir “só assim nos encontramos…”. Pessoas que não se veem desde os tempos da faculdade se esbarram nos corredores das instituições onde ocorrem as provas. Aí é uma festa, claro. Momento para descontrair, fazer piada, saber da vida um dos outro, fofocar, saber do mercado, das expectativas, das perspectivas, das novidades.

Outra pergunta bem típica nessas ocasiões é “e aí, você estudou?”, geralmente seguida de respostas como “estudei nada!” ou “só dei uma lida” ou “pô, trabalhando direto, só vim porque paguei”.

São comuns também as brincadeiras ácidas, como quando um colega deseja que você “passe mal durante a prova”, ou outro que coloca o pé na sua frente (claro, de modo que você veja) e te olhe rindo e pergunta “diminuindo a concorrência, né?”. Ou ainda aquele cumprimento afável “que pena te ver por aqui”.

É um dia interessante. Peculiar.

Hoje não foi diferente. E, ao me deparar com situações tão comuns nesses dias, não pude deixar de recordar os concursos idos.

Falarei um pouco sobre as situações. E foram tantas situações…

É sempre bom ter algo para comer durante a prova. Comer e beber. Afinal, a maioria das provas tem duração de quatro horas, talvez mais. E o preparo físico faz parte da prova. É eliminatório. Eu costumo levar uma fruta, mas é raro. Tenho o péssimo hábito de não comer entre o café da manhã e o almoço. Hoje, por exemplo, não levei nada. Comprei água pouco antes de entrar no local. Opa, um parêntese… No momento da compra eu ouço “água se traz de casa”. Grata surpresa. Uma colega de faculdade. Os minutos seguintes foram de atualizações.

Mas voltando aos comes e bebes… Muitas pessoas levam biscoitos, refrigerantes, e outras guloseimas. Toda bebida, claro, representa um risco imediato. Molhar o cartão resposta não é algo que se almeja. Não para si, hehehe. Mas o biscoito é uma arma (guardem essa palavra), talvez, ainda mais perversa. Ter o silêncio sepulcral da sala maculado pelo som da destruição de substância alimentícia ao ser esmagada por “uma estrutura dura, saliente e esbranquiçada composta por polpa, dentina e esmalte” é algo que abala os nervos e compromete o raciocínio (ou divagações) durante a prova. Hoje um colega me proporcionou um desses momentos. Ponto pra ele.

O inferno são os outros”. Talvez Sartre tenha feito alguma prova de concurso público. Assim como a alimentação alheia, naquele momento, pode significar seu fracasso (hoje eu tô dramático), o movimento alheio também pode ter esse efeito.

Se existe algo que me apavora nessas provas é a proximidade das carteiras e o tráfego indiscriminado de meus arqui-inimigos momentâneos, “os outros”. O nervosismo deveria se expressar por sono profundo, desistência pura e simples ou mesmo paralisia momentânea (além de dramático, cruel). Mas o que se vê são espasmos musculares, mudanças abruptas de posição, sessões de percussão onde pés, mãos, canetas viram instrumentos musicais desritmados. Além, é claro, do funcionamento indisciplinado do sistema urinário.

Nesses momentos, cuidado! Esses “outros” passarão bem próximo de você, esbarrarão em você com o intuito inconsciente (ou não… lembrem: eles são “os outros”) de derramar aquela garrafa d’água que você, imprudentemente, deixou em cima da carteira. Ou, mais comumente, essa colisão ocorrerá no exato momento em que a ponta de sua caneta esferográfica de tinta preta e de material transparente estiver em contato com a superfície do documento único e insubstituível onde você deve marcar as respostas. Isso já ocorreu comigo.

Os outros. Já reparam como algumas pessoas “acabam” a prova em tão pouco tempo? Hoje, por exemplo, uma menina que chegou esbaforida, em cima da hora, e falando com alguém sobre ter ido de bicicleta (imprudente gasto energético pré-prova), entregou a prova menos de uma hora após o início. Não dá tempo! É quase impossível! Mas, o irracional, tão presente, nos diz “Tá vendo? Ela já acabou! E você, seu lerdo, nem chegou à segunda página! Anda logo com isso, seu bocó!”. Logo, hoje desenvolvi uma teoria esdrúxula: essas pessoas irritantes são contratadas por algum dos “outros” para desequilibrar mental e emocionalmente os demais.

Bem, eu posso não ler o edital (aliás, isso é raro, se é que li por completo alguma vez), mas existem instruções básicas para a realização de uma prova. E a mais básica é: caneta esferográfica de tinta preta e de material transparente. E pode apostar, sempre haverá alguém que, já na sala, reagirá com surpresa a esse detalhe. E hoje não foi diferente. O “outro”, uma menina, não esqueceu o creme com que lambrecou displicentemente as pernas (preparo para a prova?), mas ficou espantada com a observação da “caneta esferográfica de tinta preta e de material transparente”.

Aliás, essa exigência me faz lembrar a sagacidade de nossos vendedores ambulantes. São mais bem informados que muitos concurseiros. Já nos acessos ao local das provas sempre haverá um alertando sobre a “caneta esferográfica de tinta preta e de material transparente” e, claro, ofertando a mercadoria. Esse fenômeno também pode ser observado naqueles dias que não parece que vai chover (e você está desprevenido, claro) e cai aquele toró. Logo haverá alguém vendendo “familhão” por 10 reais. Ou, durante o carnaval, caso queiram saber onde será o bloco, siga o camelô empurrando um carrinho de cerveja. Mesmo princípio.

Mas, continuando…

Os “outros” podem estar armados. Cuidado!! É isso mesmo. Armas. E não falo de biscoitos crocantes dessa vez. Numa prova recente, num domingo de sol, lá pelas bandas do Méier, me surpreendi (rindo, incrédulo) com a pergunta da fiscal de sala para a turma, durante os avisos iniciais: “Pessoal, alguém está portando arma?”. A formalidade foi esquecida nesse momento e perguntei sobre aquele questionamento, novidade para mim. Ela sentou e, como havia tempo para o início, contou a história inusitada. Disse que, durante um concurso organizado por aquela instituição, um homem foi surpreendido durante a revista na saída do banheiro (para quem não sabe, o uso de detector de metais é regra) com… pasmem… três (isso mesmo, 3) armas. Devidamente presas em coldres espalhados pelo corpo, inclusive um na canela. Detalhe: ele não era policial. Mais detalhe: justificou-se dizendo que era para se proteger, pois era uma área de risco e coisa e tal.

Bem, o único risco ali (além dele, claro) era ser reprovado. Um risco ao qual, obviamente, ele sucumbiu. Devidamente desarmado, ao ser expulso do local.

Continuemos…

Os rituais. Ah, essa é outra parte interessante desses domingos de sol. Cromoterapia pura e aplicada (o amarelo ajuda) é um exemplo. Leituras antes da prova são frequentes. Eu, no caminho, estava lendo um romance. Algumas pessoas levam apostilas e resumos, que só guardam no último segundo. Alongamentos, exercícios respiratórios… Preces são comuns. Afinal, entre a bibliografia proposta mais o catatau de legislação exigida… bem, apelar ao divino parece ser mais rápido. Por falar no divino, um dos momentos mais marcantes desses anos de concurso público foi durante o vestibular. Acho que foi numa prova da UFF. O local eu lembro bem, Colégio Zaccaria, no Catete. Estava sentado próximo à janela, senti um cheiro diferente, mas só me virei para conferir quando houve um zum zum zum e o fiscal da sala se aproximou para advertir um rapaz. Razão: um sujeito, meio bicho-grilo, havia fixado e acendido um incenso na carteira a sua frente e estava em posição de lótus meditando. Acreditem. Isso ocorreu. Eu estava lá. Quem deve se lembrar bem é a menina da carteira onde o incenso foi fixado. Eu não esqueço a expressão de incredulidade e ódio dela cheirando próprio cabelo (cabelos longos!), claro, devidamente defumado. Não preciso dizer que esse “evento” desconcertou boa parte da turma (a menina, principalmente).

Não sucumbi ao ataque desse “outro” zen. Passei para a UFF!

É. Esses são os concursos nossos de cada domingo. Domingos de Sol. Nossos e, claro, dos “outros”.

quarta-feira, maio 01, 2013

Ubuntu - EU preciso de VOCÊ para ser EU

Ubuntu. Filosofia ou Ideologia africana. Há tempos ouço falar e até li, embora pouco, algo sobre o que vem a ser ubuntu. Gostaria de, neste momento, estar no clima para escrever mais e melhor sobre o assunto. Mas, de qualquer forma, resolvo arriscar, mesmo que em poucas linhas.

A razão principal foi uma declaração que li por ocasião da visita do presidente da África do Sul a um ex-presidente daquele mesmo país. O "tal" ex-presidente é um dos cidadãos mais importantes do mundo. O mundo precisou dele. E ele não falhou. Por isso, minha gratidão, pelo que foi, pelo que é, pelo que fez, pelo que continua fazendo, pelo que representa. Obrigado Madiba!

Pois, bem. O atual presidente sofreu críticas por uma suposta exploração política da imagem de Nelson Mandela. Foi durante uma visita ao ex-presidente, que já em casa se recupera após um período internado num hospital. Sua saúde é frágil. São mais de noventa anos de luta. O tempo, a natureza e o corpo. Um trio inexorável. 

A imagem de um Mandela muito debilitado "recebendo" a tal visita correu o mundo e teve seu impacto. Minha primeira impressão não foi alterada (e, por isso, este pequeno texto de desabafo). Foi sim exploração política. Foi desrespeitoso. E não fui o único a pensar dessa forma. Vejam aqui (analisem a foto).

Com as críticas, veio a justificativa. E aí que temos a deturpação de algo bom. O partido do presidente declarou, através de um porta-voz, que a visita estava de acordo com os valores ubuntu.

Não! Pelo pouco que entendo, não faz parte do que é ubuntu a exploração da imagem de um ser humano mais velho e debilitado para fins de promoção política. 

Encontrei um vídeo na internet onde Mandela e Tutu aparecem falando sobre Ubuntu. Espero um dia escrever mais e melhor sobre ubuntu, a essência do me define como ser humano. Ubuntu - eu sou eu através de você. EU preciso de VOCÊ para ser EU. 



segunda-feira, abril 22, 2013

Mais um aninho

Parabéns Velhinho!

No registro são 513 aninhos, mas tu já aprontava bem antes daquele 1500 quando Pedrinho te achou. Não ignoramos mais isso. 

Espero que seus bons frutos possam suplantar as tantas mazelas causadas por essa "meia dúzia" ervas daninhas que nasceram ou surgiram em teu solo. Espero que seus filhos, naturais e adotados (e são tantos) sejam felizes, e te honrem, e te protejam, e te conservem, e te respeitem (e uns aos outros). Espero que a diversidade que tu representas seja aquela que nos enche de orgulho e não aquela que nos envergonha e nos entristece. 

Hoje e sempre te desejo saúde e paz. Feliz aniversário BRASIL!!


sexta-feira, março 15, 2013

Certificação AIIM ECMp

Essa vale um post!

Acabo de ser aprovado no exame para obtenção da Certificação ECM Practitioner da AIIM (Association for Information and Image Management).


sexta-feira, março 08, 2013

A denúncia foi feita...

... e até agora, nada.

No início da semana apresentei a seguinte denúncia (?)... não, foi mais um pedido, um alerta... ao Corpo de Bombeiro do Estado do Rio de Janeiro. Além disso, o mesmo texto foi registrado famoso serviço 1746 da Prefeitura do Rio de Janeiro. E, claro, no twitter da Defesa Civil e da Prefeitura. E, como disse, até agora, nada. Reproduzo aqui, como forma de registro.

"Peço urgentemente que verifiquem a galeria comercial do nº 26 da rua Almirante Tamandaré, no Flamengo, Rio de Janeiro. Próximo ao Largo do Machado e próximo da Praça São Salvador, onde fica quartel do CBMERJ. Ontem houve curto-circuito que, embora externo (na lâmpada florescente que fica para a rua) demonstra a fragilidade das instalações. Se adentrarem na galeria, poderão perceber alguns extintores nas áreas comuns instalados acima de 2 metros de altura (não sou técnico, porém é visível que haverá dificuldade para retirá-los em caso de urgência). Além disso, a dúvida se impõe quanto a manutenção periódica de tais instrumentos. Outro fator agravante é o grande número de lojas de reparo e salões que utilizam equipamentos que geram calor e faísca, além de sobrecarregarem a rede elétrica que, possivelmente, não foi adaptada para tal tipo de consumo. As mesmas lojas que produzem calor e vapor (inclusive de solda) não possuem sistema de exaustão. A exaustão existente é interna, isto é, da loja para a área comum da galeria, onde circulam pessoas de todas as idades. A galeria também serve de armazenamento visivelmente inadequado de materiais utilizados pelos ambulantes. A galeria possui depósito de bebidas com equipamentos de refrigeração visivelmente sem manutenção. Muitos materiais, em determinadas ocasiões, ficam armazenados de modo a prejudicarem o tráfego de pessoas. Equipamentos das lojas, especialmente aqueles de refrigeração, ficam ligados ininterruptamente e a galeria não possui sistema automático de detecção e extinção de incêndio. Acima da galeria existem dois prédios residenciais que ficam sujeitos aos riscos citados acima. Tudo que foi informado pode ser verificado de forma simples, com o profissionalismo, conhecimento e boa vontades dos senhores."

Bem, é basicamente isso. Como podem ver, existem situações de risco facilmente evitáveis. Cabe as autoridades não fecharem os olhos. Nesse caso, até o momento, parece que minha mensagem foi escrita com tinta invisível. Denunciem!

Personagens da mitologia grega que inspiraram palavras


São sempre interessantes as semanas temáticas da "Palavra do Dia" do Dicionário Aulete. A última semana de fevereiro teve como tema os personagens da mitologia grega que inspiraram palavras. Além de instrutivo é, no mínimo, divertido. Vejam...

Eco (18/02/13)
Eco é um fenômeno físico em que se observa a repetição de um som devido à reflexão das ondas sonoras. Vem da palavra grega ekhó, que significa 'som' ou 'ruído'. Na mitologia grega, Eco era o nome de uma bela e jovem ninfa, muito articulada e que adorava conversar. O dom da fala, no entanto, trazia consigo um grande defeito: a ninfa falava demais e sempre queria dar a última palavra em qualquer conversa ou discussão. Em certa ocasião, Hera, desconfiada de que seu marido Zeus a traía com as ninfas, pretendia pegá-lo em flagrante. Zeus, acompanhado das ninfas e percebendo que Hera se aproximava, pediu que Eco usasse o seu dom da fala para distrair a esposa. Eco, que adorava conversar, atendeu prontamente o pedido. Hera logo descobriu o ardil e castigou a ninfa, punindo-a naquilo que ela mais amava: a fala. Eco foi condenada a não falar mais nada, a não ser repetir sempre as últimas palavras que os outros diziam.

Academia (19/02/13)
Apesar de mais utilizada atualmente para se referir a estabelecimentos em que se oferecem aulas de ginástica, danças, lutas etc., historicamente a palavra 'academia' foi mais empregada com o sentido de sociedade de caráter literário, artístico ou científico. Esta palavra surgiu do grego Academeia, o jardim onde Platão ensinava filosofia a seus pupilos na Grécia antiga. O local ficou conhecido por esse nome por abrigar o túmulo de Academos, um herói da mitologia grega. Desde a fundação da 'Academia de Platão', a palavra 'academia' passou a ser largamente utilizada para designar os estabelecimentos de ensino e, mais tarde, o termo passou a se referir a toda instituição de ensino superior, ou que congrega luminares da ciência, das artes, da filosofia etc. Muitas academias tornaram-se famosas através de tempos e lugares, nas várias áreas de sua atuação. O termo é usado também para fazer referência a um grupo de pessoas dedicadas à literatura, às artes e/ou à ciência. Entre as academias de letras, tornou-se paradigmática a Académie Française, cujo modelo inspirou a Academia Brasileira de Letras, fundada em 1896.

Morfina (20/02/13)
Morfina é uma substância extraída do ópio, usada na medicina como analgésico, sedativo e soporífero. Pode causar vício e, por vezes, é utilizada como droga de abuso. A substância foi composta pela primeira vez em 1804 pelo farmacêutico alemão Friedrich Wilhelm Adam Serturner, que lhe deu o nome em referência a Morfeu, o deus dos sonhos na mitologia grega. A partir da 1852, o surgimento da agulha hipodérmica tornou seu uso generalizado. Passou, então, a ser usada inadvertidamente no tratamento da dor, do alcoolismo e consumo de ópio (sabe-se hoje que as últimas duas utilizações não apresentam benefícios e são altamente perigosas). A substância foi utilizada na guerra civil americana, resultando em que cerca de 400.000 soldados ficaram com síndrome de dependência, devido ao seu uso impróprio. Em 1874, foi derivada da morfina a droga heroína, que se tornou uma droga social. Da mesma origem palavra 'morfina', veio a expressão 'cair nos braços de Morfeu', que significa cair no sono.

Anfitrão (21/02/13)
Anfitrião é a palavra que designa o indivíduo que recebe convidados para um encontro social, como uma festa ou um banquete. Na mitologia grega, Anfitrião foi um soldado que vivia com sua bela mulher, Alcmene. Convocado para a guerra de Tebas, Anfitrião foi obrigado a deixar sua mulher sozinha em casa. Zeus, o maior dos deuses gregos, sempre encantado pela beleza de Alcmene, aproveitou-se da situação e, transfigurado na forma de Anfitrião, seduziu Alcmene. Duvidando da fidelidade da esposa, Anfitrião se revoltou e causou uma grande confusão. No fim, tudo foi esclarecido por Zeus, e Anfitrião ficou contente por ser marido de uma escolhida do grande deus. Desde então, Anfitrião ficou conhecido como 'aquele que recebe bem os visitantes'. Da relação entre Zeus e Alcmene nasceu Hércules, o maior dos heróis da mitologia grega. Outra versão para o surgimento do sentido da palavra vem da peça teatral Amphytrion, de Jean Baptiste Poquelin. Durante o espetáculo, havia um grande vaivém dos personagens em uma casa. Os dicionários franceses teriam, então, utilizado a palavra para signar os indivíduos que recebem visitas.

Hermafrodita (22/02/13)
Hermafrodita é o termo utilizado para se referir aos seres que têm reunidos em si os dois sexos. Na mitologia grega, o filho dos deuses Hermes e Afrodite se chamava Hermafrodito. Por ter nascido de dois dos deuses mais belos da Grécia, Hermafrodito era um jovem rapaz de beleza estonteante. Salmacis, uma ninfa, apaixonou-se à primeira vista por Hermafrodito ao vê-lo banhando-se em meio à floresta e tentou agarrá-lo de qualquer modo. O jovem, no entanto, recusou o amor de Salmacis. Enquanto ele lutava por desvencilhar-se, ela suplicou aos deuses para nunca mais separá-los. Seu desejo foi concedido, e seus corpos se misturaram numa só forma, intersexual. A palavra 'hermafrodita' refere-se a Hermafrodito, após a união dos dois.

Mentor (23/02/13)
Mentor é uma palavra que se refere a uma pessoa experiente, que instrui e oferece conselhos a outra, como um guia ou um mestre. Pode se referir também à pessoa que planeja e dirige um projeto ou uma obra. A palavra tem sua origem no clássico épico Odisseia, atribuído a Homero. Na história, o herói Ulisses (ou Odisseu, em grego) confia suas propriedades e sua esposa, Penélope, aos cuidados de Mentor, seu melhor amigo, assim que parte para sua longa viagem. A bela Penélope, no entanto, começa a receber propostas de vários pretendentes. É quando Mentor a aconselha a esperar pelo retorno do marido, dando origem a uma palavra existente até hoje em diversos idiomas.

Rio de Janeiro. Belezas e Mazelas

O Rio de Janeiro conta com pontos turísticos naturais e outros tantos frutos de trabalhos arquitetônicos e paisagísticos.  O descaso do...