terça-feira, março 31, 2009

Quem tem medo do... Dentista?

Assistam o curta de animação The Dentist.
Muito engraçado e um pouco...
Bem, vejam vocês mesmos.

domingo, março 29, 2009

Péssimo exemplo

No início do mês eu escrevi uma postagem sobre a preservação de informação na web. O título era “Link perdido, acesso comprometido” baseado numa matéria que havia lido na Reuters. Basicamente tratava da questão dos links que muitas vezes são alterados ou mesmo eliminados, fazendo com que a informação que indicava se perca. Não que tenha sido apagada, pois pode estar armazenada em algum servidor. Mas como o link, a referência para sua localização, não está mais disponível, a informação também.

Hoje me lembrei de um vídeo, publicado no IHT, que queria postar no blog. Qual a minha surpresa quando, ao tentar acessar o endereço (havia copiado o link) entro na primeira página de uma nova publicação. Descobri que o IHT.com (International Herald Tribune) se fundiu ao NY Times. E o pior, pelo visto eles não estão considerando os links antigos (direcionamento automático é algo simples). Lamentável.

O impressionante é que ambos os sites, IHT.com e NY Times, usam links externos em suas matérias, artigos, etc. Pode ser que o “pessoal da TI” ainda esteja trabalhando para completar o processo, ou corrigir o problema. Se isso não ocorrer, será a maior burrice dos últimos tempos.
E por falar em preservação

Após a liberação, mesmo que parcial, dos arquivos da ditadura, perceberam quanta coisa está sendo noticiada? O jornal O Globo parece ter uma equipe no Arquivo Nacional, trabalhando em tempo integral, analisando os documentos liberados. A última reportagem relatou acusações ao falecido Leonel Brizola, feitas por órgãos de informação militares. Ainda existe muita coisa a ser trazida a público. Com certeza, após as matérias, livros serão escritos, interpretações feitas e refeitas. É a história sendo revisada.

Tudo estava em papel, e hoje pode ser consultado até via web.

Agora imaginem as informações acumuladas hoje por órgãos públicos, militares ou não, em meio digital. Considerando que muita coisa que acontece atrás das quatro paredes grossas do governo e/ou dos quartéis não chega ao nosso conhecimento, embora tenhamos um certo inciso XXXIII de um quinto artigo de uma certa Constituição, será possível, num futuro próximo, revisar a história-pra-boi-dormir que nos é contada?

Sobre isso e algo mais, tem um artigo do Elio Gaspari publicado no O Globo (11/03/2009) que traz algumas questões de cunho arquivístico, como: preservação, acesso, classificação... Clique aqui.
O que Dumas deixou, e ficou

Há algumas semanas li uma matéria no caderno Prosa&Verso, do jornal O Globo (publicado em 07/03/2009), sobre o lançamento do livro O Cavaleiro de Sainte-Hermine, de Alexandre Dumas. O texto conta um pouco do trabalho do pesquisador Claude Schopp que permitiu a publicação de um livro inédito, embora inacabado, de um escritor morto em 1870. Da descoberta de uma carta num arquivo francês, o despertar da curiosidade, à pesquisa com solicitação de microfilmes de jornais do ano de 1869, tudo culminando numa publicação robusta (são mais de 1000 páginas) que chega às livrarias brasileiras esse ano – na França e EUA foi em 2005 (ô atraso!).

Como arquivista de formação, o que me chamou atenção neste caso, me fazendo refletir, foi a preservação. Se a tal carta não tivesse sido conservada, não haveria livro. Isso nos leva a pensar nas novas tecnologias.

Imaginem um escritor importante nos dias atuais. Ele faz suas anotações no computador e se corresponde através do e-mail. Nada de papel. Apesar das discussões em torno da preservação de longo termo de informação em meio digital, não consigo imaginar um e-mail escrito/enviado hoje, ser conservado por 130 anos.

O lançamento do livro de Dumas com certeza pode ser usado como exemplo da importância da preservação. Muita riqueza está sendo perdida com a volatilidade e obsolescência dos meios de armazenamento atuais e também com a banalização da informação (desde sua criação, passando pelo acumulo sem critério, até a eliminação sem avaliação). Se em meados do século passado vivemos uma explosão documental, hoje ocorre o boom informacional. No passado foram apresentadas as soluções – seguidas ou não – para amenizar a situação. Hoje as discussões parecem se restringir ao meio acadêmico e as práticas de base (nas empresas, nas instituições, em nossas casas) não sinalizam mudança. A cada ano nos são apresentados novos recursos de armazenamento (CD, DVD, Blue-ray, vários tipos de cartões de memória, até bases de dados externas/virtuais), mas nada que nos “agrade” (queremos sempre mais, menores e com mais capacidade de armazenamento) e, por tanto, nada que vá ficar.

Tudo leva a perceber que, atualmente, a solução mais acertada seria a migração contínua da informação, seja para novos formatos ou novas mídias. E o papel sobrevive.

Se Dumas hoje vivesse, com certeza muito nos deixaria. Mas provavelmente pouco ou nada ficaria.

sábado, março 28, 2009

Guerra, sem Vitória, no Caminho do boi

Há muito tempo comento aqui no TUIST (combinemos, TUIST = Trocando Uma Idéia Sobre Tudo) a questão das drogas e da violência. Às vezes penso estar sendo repetitivo, por vezes tenho certeza disso... A solução é apagar esse pensamento e simplesmente escrever.

Algo que ocupou os noticiários nesta semana foi o confronto entre policiais e traficantes - população no meio - na Zona Sul do Rio de Janeiro. Mais precisamente na Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana. Armamento pesado; explosões; residências (apartamentos) sendo atingidas e exibidas na TV; "barracos" e casas na comunidade com certeza também sendo atingidos, embora sem a mesma visibilidade midiática; mortos; feridos; presos; assustados; horrorizados; indignados. Uma guerra!

Essa guerra, ao contrário do que se tem no Iraque, tem outra motivação que não aquele combustível fóssil. O que move a guerra tupiniquim são as drogas. Mas nossa guerra (estamos nessa) tem alguma coisa em comum com a outra: os financiadores. Sim, eles novamente. Se comprar um barril de óleo cru não é pra qualquer um, podemos dizer o mesmo sobre manter um vício (ou consumo eventual, como diriam alguns mais descolados) de cocaína.

Como bem disse o secretário de segurança José Mariano Beltrame "Quem paga e financia isso tudo é quem consome drogas na zona sul do Rio". Se há demanda de consumo, há interesse de comércio, que gera concorrência (de um lado bandidos rivais querendo tomar, de outro, policiais querendo acabar), que pede estratégia, neste caso, bélica… e tem-se o conflito… e têm-se mortos e feridos, entre os quais ninguém se salva.

A Ladeira já foi noticiada em outra ocasião, quando uma senhora corajosa resolveu registrar o que a indignava (será que somente ela?): traficantes comercializando o produto proibido com a mesma naturalidade que vendedores de cerveja atuam na praia. E à luz do dia, provavelmente, ou melhor, certamente - ficou provado -, com o consentimento dos que deveriam coibir tal crime. Enquanto registrava com sua filmadora, ela dizia "É o fim da dignidade humana, é o fim da dignidade". Dona Vitória não está mais lá. Após prestar um serviço à sociedade, teve de ingressar no programa de proteção á testemunha. Ela tinha 80 anos!

Vamos lembrar ... Assista a reportagem do Fantástico, clicando aqui.

Deu até livro...
Como se vê, os traficantes não abandonaram o ponto após as denúncias de Dona Vitória. É compreensível. Pense como um comerciante. Você dispensaria uma loja de roupa no Shopping Rio Sul? Um lugar conhecido e perto dos consumidores que podem comprar sua mercadoria?

Haverá ainda Vitória para os que trilham o caminho do boi?

Um pouco História
Ladeira dos Tabajaras - Em meados do século XIX, D. Pedro costumava passar por uma trilha conhecida como “caminho do boi” para encurtar o percurso entre o Jardim Botânico e a região litorânea. Por obra de José Martins Barroso, em 1855, a trilha logo se transformou na primeira estrada de meia rodagem ligando os bairros de Copacabana e Botafogo. Em homenagem ao seu fundador, o caminho passou a se chamar Ladeira do Barroso. Apenas 62 anos mais tarde é que o nome Ladeira dos Tabajaras veio a ser adotado, como uma homenagem aos índios Tabajaras. Essa tribo vinda do nordeste, habitava os morros de São João e da Saudade, ambos cortados pela Ladeira.
Libertas Quæ Sera Tamen

Indico o artigo Samir Keedi publicado anteontem no Diário do Comércio. Com o título "Somos todos escravos" o professor Keedi resume fatos que comprovam a manutenção de um regime que pensava-se abolido num certo 13 de maio.

Em 13 de maio de 1888 tivemos a libertação dos escravos no Brasil. Essa, no entanto, não ocorreu efetivamente, mesmo transcorrido mais de um século. Nos últimos anos temos visto, de tempos em tempos, ações policiais nas quais o Estado liberta trabalhadores em regime de escravidão ou semi-escravidão, fato que gera muita indignação. Afinal, pergunta-se, como é possível que no século 21 ainda exista escravidão no Brasil? ...

Leiam na íntegra.

sábado, março 14, 2009

Darfur: Promessas Quebradas

Darfur. Milhares mortos. Milhões desalojados. Mulheres (e crianças) estupradas. Aldeias incendiadas. Fome. Cede. Condições insalubres para manutenção da vida. Mais mortes. "Mundo" "indignado" (ambas as palavras entre aspas propositadamente). É preciso intervir. Promessas. UNAMID, operação conjunta entre União Africana e ONU. A "força" de paz que deveria ter força, pelo reduzido contingente e outras razões, se torna fraca. UNAMID fraca perde a confiança da população, os poucos que tomaram conhecimento de sua existência.

O vídeo, produção do Politzer Center, mostra algumas dessas razões. A promessa é quebrada a partir do momento que a força simplesmente não pode ser forte. Enquanto isso, Bashir, canalha-mor cuja existência não interessa à humanidade, confirma, com suas atitudes, as acusações do Tribunal Penal Internacional.

quinta-feira, março 12, 2009

Link perdido, acesso comprometido

Há alguns dias li uma matéria na Reuters intitulada "Buraco negro: como a Web devora a História". Trata de um tema ignorado por muitos e que, no entanto, a muitos afeta. Diz respeito às alterações de links e endereços sites na Internet, eliminação de páginas web ou mesmo supressão de conteúdo por questões técnicas ou não.

Ficamos muito animados quando uma informação está disponível on-line. Eu, pelo menos, fico. Um documento cujo original não é de fácil acesso, digamos, pela distância da instituição mantenedora; um artigo de jornal; vídeos; fotos... Basta digitar o endereço na web e temos a informação desejada. Mas, assim como nos foi fácil acessá-la, é fácil para outros comprometerem o acesso.

Esse problema ocorre todos os dias. Aqui no blog, por exemplo, vocês podem ver que incluo muitos links. Muitos, especialmente os mais antigos (o blog tem pouco mais de dois anos) já não estão ativos, ou melhor, já não direcionam para a informação pretendida.

Imaginem que estejam numa biblioteca. A busca pelo livro desejado é feita num terminal ou numa ficha que indica que o livro encontra-se na estante X, prateleira, Y. Você vai até o local e não encontra o livro. A razão: pode ter ocorrido uma mudança na ordem e não terem atualizado a ficha; o livro pode ter sido retirado permanentemente da biblioteca, etc. É o que, grosso modo, ocorre na web. E aí está o risco de perdermos a informação. Compromete-se o acesso em alguns casos e, de forma mais abrangente, a preservação. Essa é uma questão arquivística relacionada às novas tecnologias.

O erro é encarar essa "nova tecnologia" como uma entidade, um monstro, desvinculado do real, do concreto. Por traz desse ente existem pessoas. Pessoas que tomam decisões muitas vezes sem considerar questões que para alguns parecem óbvias.

Por falar em preservação, o Arquivo Nacional dos EUA comemora 75 anos promovendo a conferência Digitizing for Preservation and Access: Past is Prologue (Digitalizando para Preservação e Acesso: Passado é Prólogo). Tem tudo a ver com o assunto.

terça-feira, março 10, 2009

segunda-feira, março 09, 2009

Arquivistas, cresçamos!

De vez em quando, eu recebo uns comunicados de associações de profissionais de Arquivologia. Duas delas eu tenho certeza que não assinei, mas como as mensagens chegam num endereço de e-mail que não uso no cotidiano, acabo por manter a “assinatura”. Algumas dessas mensagens eu até leio (lembram do direito a não-leitura?). Como não atuo formalmente, embora tenha terminado a graduação, é importante saber o que está acontecendo.

Uma das mais recentes que recebi, eu li. O título me atraiu: “Repúdio a vídeos no YouTube”. Era um protesto contra dois vídeos postados naquela ferramenta que, segundo a matéria, “acabam por confundir os conceitos lecionados na formação arquivística, e principalmente, prejudicam a imagem dos Arquivistas que muito lutam para o desenvolvimento crescente da área no Brasil”. Assistam clicando aqui e aqui.

Os vídeos chegam a ser engraçados. E me fazem perceber que existem poucas piadas de arquivista. Alguém conhece alguma? Piadas de profissões algumas vezes permitem uma reflexão do profissional, alvo da piada, sobre sua atuação, mercado, formação. Existem tantas de advogado, médico, nutricionista… Nós, arquivistas, precisamos desse tipo de oportunidade. Faz parte do crescimento. Nem que seja para gerar um conflito de idéias, um diálogo. Os vídeos parecem ter servido ao propósito.

O que achei estranho na matéria – e que me leva a tecer comentários – foi o alerta de que os vídeos:

1) “acabam por confundir os conceitos lecionados na formação arquivística…” – Se estamos falando de conceitos lecionados, estamos focando, em determinado grau, no resultado da relação entre o corpo docente e o discente, o produto/resultado dela. Não entrarei, por hora, no mérito do docente, mas como discente (aluno, estudante) eu digo que, se esses vídeos confundem os conceitos é porque foram mal apreendidos, mal compreendidos. Neste caso, ao invés de se sentir ofendido, diminuído ou o que quer que seja, é melhor o profissional rever sua formação.

2) “prejudicam a imagem dos Arquivistas que muito lutam para o desenvolvimento crescente da área no Brasil” – Bonito! Será que os vídeos, em algum momento, prejudicaram a imagem, por exemplo, do Sérgio Albite? Será que algum mandatário da ABL ou da BN, ao assistirem os vídeos decidiram rever todo o trabalho realizado? Creio que não.

Considero de grande importância a atuação em conjunto (de associações, grupos, universidades) e/ou individual (de profissionais, professores, alunos) na “luta” pelos interesses dos arquivistas, até porque sou um dos beneficiários. Mas penso que os interesses podem ser mais… grandiosos.

domingo, março 08, 2009

Dia Internacional da Mulher

Foi com muita luta que elas conseguiram iniciar esta caminhada. Digo iniciar, pois penso que ainda há muito por ser conquistado de fato. Legislação, políticas públicas, bons exemplos, até aqui não foram suficientes para que a mulher realmente conquiste espaço na sociedade, de forma respeitosa, igualitária e humana. Logo, a caminhada continua.

O Dia Internacional da Mulher surgiu, segundo versões, desta mesma luta. Exigindo melhores salários, melhores condições de trabalho, igualdade de direitos, como o voto, elas se uniram em protesto numa sociedade machista do século XIX e que até nossos dias continua machista, preconceituosa.

Nos momentos difíceis que tenho em família (e têm sido muitos), sempre peço a recordação de duas mulheres que simbolizam a força em minha história familiar. Minha avó materna, Iracema, morta num trágico acidente, e minha tia-avó materna, Perpétua, que considerava (e ainda considero) uma de minhas mães, também falecida, em minha opinião, de forma dolorosa.

A história de minha família daria um livro, e digo isso pelo pouco que conheço, com alegrias e tristezas, em quantidades talvez desproporcionais. Infelizmente não consegui até hoje a atenção necessária dos mais velhos para me contarem, ao estilo dos griots africanos, a história da qual faço parte e que remonta às fazendas de café do Sul Fluminense do tempo da escravidão. Remoer o passado, mesmo com a nobre causa da preservação (e, no meu caso, busca) da memória, é tarefa árdua que pode trazer à tona tristes lembranças há muito guardadas. Duas tias-avós, irmãs, mais velhas “sobreviventes” dessa história, poderiam me auxiliar nessa busca, mas em respeito e com bom senso e sensibilidade, prefiro que ambas vivam seus dias em paz, sem mais tristezas ou fortes emoções do passado. Mais duas mulheres a homenagear: Minhas queridas tias, Irene e Mariazinha!

Mas voltemos aos símbolos de força. Iracema, minha Vó Ceminha, ou Ceminha Peixeira como era conhecida onde morávamos por vender os peixes que trazia do Mercado da Praça XV, com sua força e generosidade criou seus cinco filhos, ajudou na criação de seus netos (e aí me incluo) e tantos outros que hoje me pergunto: como aquilo foi possível? Pelo que me contam, minha Avó trabalhava no extinto entreposto pesqueiro da Praça XV, lavando e passando roupas para os pescadores na madrugada e, pela manhã, antes do nascer sol, retornava à Mesquita trazendo pescados que recebia como parte do pagamento. Os peixes eram então vendidos na redondeza e também em casa. Lembro até hoje que ficava impressionado com o tamanho dos peixes, me recordo também da rústica ferramenta para descamar o pescado (que consistia de uma madeira com pregos, formando uma espécie de escova), a balança de mão, do peixe embrulhado no jornal, de todo o trabalho e esforço daquela mulher. Peixe e camarão eram comuns em nossas refeições. E eram tantas bocas!

A resposta para a pergunta do parágrafo anterior é o que a nobre mulher simboliza: FORÇA. Mas também muita generosidade e fé. E por falar em fé e generosidade, me vem à mente agora outro fato marcante: minha avó materna, a Ceminha Peixeira, foi também rezadeira ou benzedeira! Financeiramente éramos muito pobres, e o que hoje é considerado básico numa residência, era um luxo. O maior exemplo era o gás de cozinha e o chuveiro elétrico. Por isso, um fogão a lenha improvisado (duas colunas de tijolos e uma grelha), se tornou item permanente no quintal. Ali esquentávamos água num caldeirão para, nas épocas de frio, “quebrar a friagem” da água para o banho e também era onde eram preparadas algumas refeições. As cinzas que ficavam eram usadas nas rezas, assim como uma grande colher de pau. Ela sujava a colher nas cinzas e marcava (acho que a testa) de quem estivesse benzendo.

Sua fé foi sempre marcante. Me lembro que ela começou a freqüentar uma Igreja Evangélica e abria sua casa para cultos dessa Igreja. Mas tarde, já após sua morte, cheguei a freqüentar esta Igreja, mesmo que por pouco tempo. Hoje me recordo, com certa emoção, que ela me pedia para ler o Salmo 91, o qual, lendo hoje, me faz perceber o quanto ela se apegava a sua fé, independente da religião que tenha freqüentado durante sua vida. Minha avó, Iracema Soares de Souza e Silva, a Ceminha Peixeira.

Ela tinha uma irmã gêmea, Perpétua. Infelizmente seu nome não definiu sua permanência entre nós, mas define meu amor, minhas lembranças e minha gratidão a esta mulher que se perpetuam em meu coração e em meus pensamentos. Me recordo que, quando criança e nos passos iniciais do aprendizado da fala, a chamava de “Tia Pepeta”. Ela morava sozinha, numa casa colada a nossa, embora com entrada independente. Independente como ela sempre foi. Tinha uma pequena horta no quintal que para mim simbolizada a vida, a alegria. Suas goiabeiras – uma de goiabas brancas e outra de vermelhas –, além do fruto que comíamos e que também servia para que fizesse deliciosos doces (goiabada cascão e geléia) e sucos, também serviam como área de lazer, onde brincávamos subindo e balançando nos galhos. Havia também um pé de graviola, a fruta mais cobiçada do quintal, por seu gosto e aroma, com a qual também fazia suco. Tia Perpétua tinha algumas peculiaridades que a tornavam uma pessoa única e até engraçada. Cito quatro delas:

1) Ela tinha um namorado, “Seu Braga”. Ele a visitava com uma freqüência que não recordo, talvez uma vez por semana, talvez duas vezes ao mês. Nessas ocasiões, algumas coisas eram certas. Primeiramente, ele trazia (ou ganhava… explico a seguir) uma caixa de bombons, um romântico presente que sempre pude aproveitar quando ele ia embora. Uma segunda coisa, que tem haver com a primeira, era o que chamarei de jogo do ossinho. Minha tia separava e deixava secar uma parte do osso da galinha que é em formato de Y. Ganhava o jogo, cujo prêmio era a caixa de bombom, quem ficasse com a maior parte do osso após este ser quebrado quando o casal puxava duas de suas pontas. Esse romantismo, num casal de quase setenta anos, já era raro naquela época.

2) Ela jogava no bicho - algo que, com certeza, incentivou minha mãe. Ela mesma escrevia seus jogos, com letra bem pequena, enchia as folhas do talão que era fornecido pelo bicheiro, ou seria melhor dizer, apontador do jogo de bicho. Meu trabalho era levar o jogo e buscar os resultados. Era como uma religião. Jogava todos os dias.

3) Ela bebia. Não era exatamente um vício, mas ela gostava de “tomar umas cervejinhas”. Eu, como apreciador, sei que algumas vezes, exageramos. Ela exagerou também, pelo menos uma vez. E eu presenciei o desenrolar da história. Não apenas presenciei como fui destacado (tinha uns 12 anos, talvez menos) para ajudar a trazê-la – a muito custo, podem ter certeza – do bar. Com todo respeito que tinha e tenho por ela, foi uma das cenas mais engraçadas que já tinha visto. Ela mesma riu da situação.

4) Ela fumava cachimbo. Lembro que comprava o fumo de rolo, desfiava, enchia o cachimbo… lembro do aroma. Um fato engraçado é que ela havia deixado de fumar durante algum tempo e até jogou fora o cachimbo; até que uma criança, brincando no quintal, achou o “aparelho”. Ela simplesmente o lavou e voltou a fumar.

Essa mesma criança hoje lembra, com lágrimas nos olhos, dessa incrível mulher, que a levava para passear, viajar; que a abrigava próximo ao sofá assistindo televisão; que a atendia quando, ao meio-dia e às cinco da tarde, pedia almoço e lanche, respectivamente; que a defendia de tudo e de todos… Essa mesma criança hoje chora de emoção pela terna lembrança e escreve estas linhas para homenagear não apenas a Tia Pepeta, ou sua irmã Ceminha Peixeira, minha avó, símbolo de força e luta e resistência, mas todas as mulheres.

Como não poderia deixar de ser, ao homenagear as mulheres, com sua coragem, força, generosidade e resistência, devo reservar um espaço neste post para homenagear, em particular, as mulheres africanas. Mulheres que se tornam símbolo de resistência e força, se considerarmos todas as desventuras por quais passam, e com amor e atenção, duplicam essa força para que possam a seus filhos proteger. Às Mulheres Africanas, minha admiração, respeito e preces por dias melhores.



Mulheres Africanas por amaralalexandro

terça-feira, março 03, 2009

Martin X Obama

Na semana da posse do primeiro presidente negro dos EUA, o Arquivo N, da GloboNews, exibiu um programa especial com uma rápida aula da trajetória dos direitos civis naquele país. Barack Obama representa hoje um resultado - parcial, pois creio que muitas coisas ainda estão por ser conquistadas e ajustadas - da luta e força dos que vieram antes, tais como Malcolm X, Martin Luther King Jr., e outros.

Os comentário ficam por conta do professor Samuel Roberts, do Departamento de História da Columbia University, que é especialista em história do período pós-emancipação dos movimentos sociais afro-americanos.

domingo, março 01, 2009

Hibernei? O que está acontecendo?

Num texto que postei há quase dois anos, fiz as seguintes indagações: "Numa eventual descriminalização de drogas como maconha e cocaína, quem fabricará? A FioCruz, Bayer, Glaxo, Pfizer?? Quem comercializará? Quem determinará os preços? Onde serão adquiridas as matérias-primas para a produção? Quem ganhará com tudo isso?"

Parece que essa questão de legal ou ilegal, libera ou não libera, já virou coisa do passado. Hoje simplesmente não se discute mais, pelo menos não abertamente e com a profundidade, responsabilidade e seriedade necessárias. O que ocorre abertamente é a venda, o consumo. Não sou nenhum puritano. Das drogas do mercado, consumi e consumo somente uma, e lícita: o álcool. Ok, eu assisto telenovelas, mas isso não vem ao caso. Também não incluo medicamentos, que só uso em último caso, como toda pessoa avessa a tratamento/consulta médica (ninguém é perfeito!)

O fato é que sempre minimizam o assunto, reduzindo-o até que se transforme em algo banal. Ou acabam com ele, complicando-o até que todos resolvem simplesmente abandonar no estilo “não entendo e não quero saber”. É o caso da maconha, que sou contra, pois: 1) sou contra o fumo (de qualquer coisa); 2) dúvidas pairam quanto benefícios e malefícios; 3) dúvidas também pairam sobre como funcionaria um ambiente/sociedade onde "ela" fosse legalizada (vide meus questionamentos acima e se informem sobre o que ocorre na Holanda (*), onde já pensam em rever a forma como se dá a legalização); 4) é ilegal... e, por fim, mas não por último, 5) o cheiro não me agrada.

(*) Por favor, considerem as diferenças culturas e estruturas de um país e outro.

Quando digo que o assunto parece ultrapassado, é baseado (sem trocadilhos) em fatos. Já me retirei de muitos lugares onde a erva estava sendo consumida. Lugares freqüentados pela grandiosa e intelectualizada e esclarecida e bem resolvida classe mérdia, quer dizer, média. Até na universidade isso ocorre! Isso mesmo, e não se trata de trabalho científico em prol do esclarecimento para enriquecer a discussão. Vão ao Posto 9 (praia de Ipanema) ou outro reduto de cidadãos conscientes, responsáveis, pacíficos e de alto poder aquisitivo.

Imaginem vocês se o crime de roubo a banco estivesse sendo discutido como o caso da maconha. Na sociedade existem pessoas que praticam, outras que fornecem a estrutura e instrumentos para a prática, algumas pessoas são contra, outras a favor, outras estão na dúvida. Enquanto isso, o roubo a banco continuaria sendo praticado em maiores problemas. Pra quem rouba, é claro. Absurdo! Colocar meio termo em certas coisas só agrava o problema.

Hoje uma reportagem no jornal O Globo (de hoje) me surpreendeu (qualquer dia eu infarto). O título era o seguinte: "Fumar maconha em casa, uma polêmica acesa". Pensei, caramba, liberaram e eu nem sabia. Mas não liberaram coisa alguma, porém, o roubo a banco continua sendo realizado.

Num dado momento a matéria traz uma declaração de uma mãe (professora e usuária, nas horas vagas) cujos filhos, menores, começaram a se interessar pelo assunto. Diz ela – identificada como A - "Minha maior preocupação é que eles não entrem em situações perigosas e comprem sempre com amigos que revendem...". Sempre? Perigo? Amizade? Revenda? Preocupação?!! Sinto como se tivesse hibernado durante um século. Tudo mudou.

Bem, estando a família protegida, comprando o "produto" sempre com amigos revendedores, garantindo sua segurança e a qualidade (da erva, do atendimento, preço...), consumindo no aconchego do lar, e em família, o que é lindo... que tal sairmos da superfície, aprofundarmos a discussão (já que somos esclarecidos, inteligentes, humanos, vivemos em sociedade e não isolados, somos responsáveis, blábláblá...) e abrirmos os olhos?

Qual o caminho percorrido pela maconha (proibida!) usada nessa feliz reunião de família? O que ocorreu até ela chegar às mãos desses singelos e inocentes usuários? Será que o amigo da família foi ao MAKRO, ou outra rede de atacado, se abastecer para a tal revenda? Talvez também tenha aproveitado e comprado umas guloseimas! Vocês sabem, além do vício, a larica pode se transformar num negócio lucrativo.

E qual foi o impacto disso na sociedade? Isso mesmo, sociedade. Não vivemos isolados, certo? Oh, que tal "Meus queridos filhos, estamos contribuindo para aquele aviãozinho (o guri que de outra mãe, outra família, outra realidade) compre um tênis novo!" Seria uma justificativa a altura de todo esse absurdo.

Se estive hibernando, gostaria de voltar. Acordar repentinamente faz mal.
A robótica na Fazenda

Se tem um programa que gosto na TV, é o Globo Rural. Da TV aberta é um dos poucos com qualidade (na maioria das vezes), pelo menos em minha opinião. Lembro de ter utilizado uma das reportagens (uma sobre rotação de culturas) num trabalho escolar... há uns 16 anos quando cursava o primeiro ano do segundo grau (ensino médio). O horário nem sempre é atrativo para a maioria. Eu mesmo, que aproveito o Domingo para dormir até mais tarde, o que nem sempre acontece, e saio cedo para trabalhar durante a semana. Agora com a Internet fica mais fácil.

Mas chega de comercial e vamos ao ponto. Hoje assisti uma reportagem que me impressionou. É sobre a utilização da tecnologia dos robôs numa pequena propriedade rural dos EUA, para ordenha das vacas. Vejam só!