quarta-feira, agosto 29, 2007

Sinais de mudança

A declaração de Morgan Tsvangirai, líder da oposição no Zimbábue, sinaliza que algo começa a mudar, ou mesmo transparecer, na cultura política de países africanos. Sei que generalizações indevidas representam grave erro no entendimento de um assunto, mas neste caso gostaria de arriscar. Por isso, mantenho a abrangência da primeira frase.

O Zimbábue vive hoje uma grave colapso social, econômico e político. É mais uma crise humanitária, mundo afora ou África adentro. As principais vítimas são os zimbabuanos e o principal responsável seria o atual presidente, Robert Mugabe. Seu opositor, Morgan Tsvangirai, fez uma declaração que, mesmo carregada de intenções políticas, traz certa serenidade ao analisar a situação atual. Segundo Morgan a preocupação com Mugabe, mas especificamente em tirá-lo do poder, deve ficar em segundo plano. A preocupação maior deve ser com a cultura política instituída no país, que desrespeita as pessoas, violando direitos e bem estar econômicos da maioria. Então, remover Mogabe, não significa criar um ambiente democrático no país. Sábia declaração. Deveria ser considerada por outros, em outros países. Até mesmo aqui.
Que não seja um pretexto

A decisão do STF foi algo de muito positivo. Disso não resta a menor dúvida. Foi aceita a denúncia contra os 40 bandidos, a maioria ocupante de cargos públicos, que participaram do esquema (um deles) conhecido como mensalão. Igualmente importante foi o papel do Ministério Público Federal, investigando e apresentando a denúncia contra a quadrilha. Mas algo está me incomodando. Principalmente após assistir a última edição do Jornal Nacional. Alguns políticos, dentre eles ACM Neto, apareceram para elogiar a "afirmação da justiça", o "fortalecimento da democracia". Diziam que a decisão do Supremo era um alerta aos que tentam se proteger com o foro privilegiado. Demonstraria que estão enganados os que pensam que foro privilegiado é sinônimo de impunidade. De certa forma, é justamente isso. Temos dezenas de parlamentares que, mesmo com foro privilegiado, agora são réus. Nem culpados, nem inocentes. Apenas réus. Julgamento final, culpando-os ou inocentando-os, é outra etapa desse processo.

Mas esse é o ponto. Está me parecendo que tal decisão começa a ser usada por alguns para enfraquecer a luta pelo fim do foro privilegiado. É algo que não pode acontecer. Não podem usar o desfecho do julgamento no STF como pretexto para continuar com essa mancha na democracia. A desculpa "legal" de proteger o exercício do mandato ou função sem constituir privilégios pessoais não cola. Governo é feito de pessoas, seres humanos, não entidades acima do bem e do mal.

Um dos frutos da manutenção do foro privilegiado é o que vemos em SP, por coincidência na mesma data em que teve fim o julgamento no STF. Um assassino com título de promotor ganha o direito de ser mantido no cargo... vitalício.

sexta-feira, agosto 17, 2007

África

Gostaria de indicar dois artigos que li recentemente. O primeiro, intitulado “África, 2057”, traça um breve panorama do continente desde o ciclo de independências inciado em 1957, analisa a África de hoje e vislumbra o que poderá ser continente, sócio-economicamente, em 50 anos. É de autoria do professor Immanuel Wallerstein pesquisador sênior da Universidade de Yale, no EUA, e foi publicado originalmente como artigo para a Agence Global (AG), mas pode ser lido em português no site do Fernand Braudel Center, Universidade de Binghamton, de Nova Iorque. ou na revista eletrônica Informação Alternativa.

Em português Fernand Braudel Center
Original em Inglês, no Agence Global

O segundo artigo, “África além dos preconceitos”, procura analisar os clichês que parecem retornar, embora nunca tenham deixado de existir, à imprensa e às produções intelectuais sobre o continente. Tem como base um trabalho desenvolvido pelo IRD (L'Institut de recherche pour le développement - Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento) sob coordenação de Georges Courade que visa dissecar alguns preconceitos sobre o continente. O título do trabalho, pelo que apurei, é L'Afrique des idées reçues (algo como A África das idéias geralmente aceitas). O artigo indicado foi publicado no Le Monde Diplomatique edição brasileira e é de autoria da jornalista Augusta Conchiglia.

Ambos os artigos oferecem uma reflexão sobre o continente africano, mas especificamente a África ao sul do Saara, ou África Negra. De aspectos naturais, passando por questões sociais e econômicas, buscam pensar o continente longe de clichês e preconceitos comuns, considerando vários aspectos que explicariam o que ocorre hoje e que ofereceriam um caminho para um futuro melhor.

Uma coisa fica patente, e algo que sempre comento em meus posts sobre a África, é preciso considerar a história do continente. Memória!
Não reclame!
Aceite e aplauda sempre, ou fique calado.

"...Ê, ô ô, vida de gado, povo marcado, ê, povo feliz...", como na música Admirável Gado Novo, do Zé Ramalho. Parece ser exatamente isso que querem. E ainda falam do período da ditadura como se praticassem algo totalmente diferente hoje. Realmente fica difícil entender esses distintos cavalheiros. Vejamos. Durante a inauguração de uma unidade do CEFET em Campos, no Rio, algumas pessoas, entre estudantes e professores, resolveram protestar contra as condições de trabalho e estudo atuais, usando nariz de palhaço e apitos. Segundo reportagem (leia aqui ou aqui), o senhor Sérgio Cabral “Filho” não gostou e os chamou atenção, criticando-os, da mesma forma fez nosso querido presidente Luiz da Silva, presente para a inauguração.

Então está tudo muito bem. Ambos são sinônimos de perfeição como “funcionários públicos”. Estão exercendo seus papéis de forma primorosa. Logo, fiquemos quietos ou aplaudamos. Certo? Errado! Mesmo que dentre cem itens ou ações, um única estivesse em desacordo, os cidadãos (padrões de ambos) teriam o direito de reclamar, de criticar, de expor o que pensam e o que sentem.

Parece a lei da mordaça. Eles não aceitam críticas. Os hospitais do Rio, mesmo após todo o teatro do início do governo estadual, com promessas de choque de gestão (sic) continuam na mesma. Escolas sem professores a maior parte do ano. Isso sem falar nas precárias condições estruturais e os salários miseráveis. E agora ainda temos aumento parcelado para professores e policiais. Parece piada!

E caso o preclaro Luiz da Silva não perceba, não adianta sair por aí construindo instituições de ensino, ou melhor, prédios voltados para educação, enquanto as existentes encontram-se nas condições atuais. Já escrevi sobre o caso específico da Unirio, onde estudo.

E fala da bolsa de doutorado como se fosse algum furto por parte dos doutorandos. Além disso, a grana que se paga em impostos daria para estender o benefício. Talvez se não ficasse insistindo num concurso público durante tantos anos o senhor poderia hoje estar ganhando a tal bolsa. Mas concordo que o concurso para o qual passou em 2002 e 2006 é bem melhor, até porque não requer nível superior e a relação candidato-vaga é menor. Sem falar no salário, no tempo para se aposentar, no alojamento, etc. Já um doutorado…

Mas fiquemos calados. Vamos aceitar humildemente aberrações como a continuação da CPMF (Cobrança Permanente sobre Movimentação Financeira). Mesmo que eles peguem toda a grana arrecadada e não apliquem em saúde e educação. Pra que estudar? Faça um concurso que exija apenas o nível fundamental ou nem isso e tenha atendimento médico hospitalar de primeira linha. SUS para quê?

É isso aí, meus notáveis cavalheiros. Está tudo muito bom, esta tudo muito bem. Eu, que não presto mesmo, não vou prometer ficar calado para que se sintam mais confortáveis. Mas não os xingarei aqui no blog, isso eu faço mentalmente ou mesmo em conversas com amigos. Aqui eu só analiso e faço alguns comentários inocentes. Mas ficar calado não! Isso é pedir demais. Espero que não se irritem, mas se acontecer: f…

quinta-feira, agosto 16, 2007

Véu: um jeito simples de proteger

O governo do Quênia, em parceria com a OMC (Organização Mundial de Saúde) e o Departamento Britânico para o Desenvolvimento Internacional, achou uma maneira simples para reduzir, aproximadamente à metade, as mortes por malária em áreas de maior risco.

O Ministério da Saúde queniano distribuiu à população milhões de redes tipo véu com tratamento inseticida, conseguindo assim reduzir à metade as mortes pela doença que mais mata no continente africano. São cerca de um milhão de mortes por ano, sendo 34 mil no Quênia. O programa de distribuição em massa das redes salva a vida de milhares de crianças e adultos e consegue reduzir o custo atual com o tratamento da doença.


Net: an easy way to protect

The Kenyan government, supported by WHO (World Health Organization) and the Britain’s Department for International Development, found a simple method to halve deaths from malaria in high-risk areas of country.

Kenya’s Health Ministry has distributed millions insecticide-treated nets (ITNs) since 2003 and reduced almost fifty per cent deaths from a disease that kills more than any other in Africa - one million deaths a year and 34000 in Kenya. The program of mass free distribution of mosquito nets saves thousands of children and adults, likewise cutting down treatment costs.

According to Guardian Unlimited

quarta-feira, agosto 15, 2007

Million Voices




Música de Wyclef Jean que serviu de trilha sonora para o filme Hotel Ruanda, sobre o genocídio de 1994 naquele país africano. Escrevi há alguns meses um post sobre o que ocorreu em Ruanda. Leiam aqui. O filme, apesar de forte, eu indico aos que quiserem ter uma idéia do que ocorreu.

Com relação a música eu penso que algumas coisas merecem ser consideradas. Além, é claro, do brilhantismo deste haitiano engajado em questões humanitários e que, ao lado de Lauryn Hill e Pras, faz o som do Fugees.


A música de Wyclef, Million Voices, é o grito por uma Africa una. É o inconformismo com a política de dividir para enfraquecer e dominar, usada pelos colonizadores e que tem como resultado muitas das mazelas que vemos hoje no continente Africano. É a lastimação em saber que a busca por riquezas materiais, tais como diamentes, pode destruir tantas vidas.

O futuro é retratado. As crianças que tanto sofrem, aqui dançam, cantam, alegres e felizes. Quando a luz do Sol brilhará novamente sobre elas? Quem ajudará para que isso se torne realidade? É o que perguntam em Kinyarwanda, idioma da família Bantu, falado em Ruanda,
mas também ao sul de Uganda e leste do Congo Kinshasa.

Recentemente, num encontro da União Africana, discutiu-se uma proposta de criação dos Estados Unidos da África. A ídeia é bonita, mas a história e as diferenças atuais a tornam uma utopia. Quem sabe no futuro.


Mas rezo para que a união se concretize além das paredes da política. Conhecer a história, o que aconteceu com o continente, o que fizeram à mãe África, o que mesmo alguns africanos ajudaram a fazer, poderá ajudar a mudar o quadro.

E o entendimento e conhecimento não deve ser somente de africanos sobre África e outros africanos, mas de todos nós que temos nossa história antiga ou recente atada ao continente africano. Quer queiramos ou não. É preciso conhecer.

Citando Alberto da Costa e Silva: "A história da África é importante para nós, brasileiros, porque ajuda a explicar-nos. Mas é importante também por seu valor próprio e porque nos faz melhor compreender o grande continente que fica em nossa fronteira leste e de onde proveio quase a metade de nossos antepassados. Não pode continuar o estudo afastado de nossos currículos, como se fosse matéria exótica. Ainda que disto não tenhamos consciência, o obá do Benin ou o angola a quiluanje estão mais próximos de nós do que os antigos reis da França". (Revista Biblioteca Entre Livros nº 6 - Especial África)

Ni dyar'izuba, Rizagaruga, Hejuru yadju, Nduzaricyeza ricyeza.
[ When will the sun rise again? Who will reveal it us again? ]



A letra completa está nos comentário do clipe no YouTube.
Confiram outros clipes em minha página do YouTube.
Lição não aprendida. Iraque, EUA e Lawrence da Arábia

Já virou algo banal ligar a TV ou abrir um jornal e ver mais uma notícia sobre atentados suicidas no Iraque. Mortes no atacado. Um dessas foi durante um casamento. Convidados e parentes foram mortos com a explosão de um carro-bomba. Por vezes me pergunto como suportam, como podem continuar com suas vidas, casando, trabalhando, fazendo coisas simples ou não, com tanta guerra, com tanto risco. Algumas dessas vezes eu olho para minha cidade e concluo que vida deve continuar, apesar dos pesares. Não comentarei aqui a ocupação do Iraque pelos EUA. A intenção aqui é indicar um artigo de Robert Fisk, do inglês The Independent, que ratifica uma conclusão óbvia: eles (os invasores) não fazem idéia da encrenca em que se meteram. Ou fazem, mas não querem admitir. O artigo de Fisk analisa a ação invasora fazendo uma relação com os escritos de T.E. Lawrence, também conhecido com Lawrence da Arábia, intelectual, escritor... e soldado britânico, morto em 1935. Estudando o que Lawrence escreveu sobre guerrilha, Fisk compara com o que vem sendo praticado pelos EUA, sem chance de êxito. A não ser que queiram mais mortes, de todos os lados.

"It must have a friendly population, not actively friendly, but sympathetic to the point of not betraying rebel movements to the enemy. Rebellions can be made by 2 per cent active in a striking force, and 98 per cent passively sympathetic...

Deve-se ter uma população amigável, não ativamente amigável, mas simpática ao ponto de não denunciar o movimento rebelde ao inimigo. Rebeliões podem ser feitas com 2 por cento de força atuante, e 98 por cento de passivos simpáticos [ao movimento]…


O artigo, publicado em 4 de julho, pode ser lido clicando aqui. Está em inglês.

terça-feira, agosto 14, 2007

Rambo no chifre da África

Rambo. Eu assistia repetidas vezes os filmes 1, 2 e 3. Soube que virá o quarto da série. Se não me engano foi Rambo III que trouxe a história da guerra no Afeganistão. Lembro que os maus e opressores eram os soviéticos, os oprimidos eram os afegãos e, como não poderia deixar de ser, EUA eram os heróis, representados pela figura do Rambo. Lembro também que os rebeldes afegãos foram auxiliados pelos EUA. Posso estar enganado, mas a “ajuda” também se deu em forma de armamento. Também posso estar enganado, mas o filme, de certa forma, refletiu a realidade: EUA armou o Afeganistão na luta contra a União Soviética. Seria a Guerra do Afeganistão, 1979, ainda no contexto da Guerra Fria. Bin Laden e Rambo lutando lado a lado. Veja só!

Pelo pouco que li, Saddam Hussein também teria sido armado pelo EUA. Parece que é uma prática comum na política externa estadunidense. O resultado imediato é sempre o mesmo: o sofrimento de um povo.

Mas também podemos citar outros produtos da “Inteligência” estadunidense. Que tal o enriquecimento de certos fabricantes de armas e empreiteiros? Ah, e o que me dizem da “fabricação” do ódio contra americanos? Não apenas os responsáveis, mas todos os que nascem nos EUA.

Me parece que na Somália está acontecendo algo que nos faz lembrar Rambo III, Iraque, Afeganistão, e outros campos de fabricação de ódio, de destruição de vidas, de desumanidades.

Os EUA apoiaram a Etiópia numa invasão ao território Somali para destituir e combater um grupo de insurgentes islâmicos que, supõem-se, estaria apoiando a rede Al Qaeda. A mesma história: EUA arma um dos lados, dá apoio “tático e logístico”, usa a “Inteligência” para identificar onde está o “bandido” e o “mocinho” lança uma bomba. Resultado: milhares de civis (lê-se: pessoas que não estão envolvidas com nenhum dos lados) morrem.

O relatório de 113 páginas do Human Rights Watch publicado ontem sobre o que se passa na Somália acusa ambos os lados (Somália e Etiópia) de abusos contra os direitos humanos. São execuções deliberadas e sumárias, bombardeios contra bairros civis e hospitais, prisões em massa.

O documento traz a transcrição de uma entrevista concedida pelo presidente da Somália, Abdullahi Yusuf a uma rádio. Ao ser perguntado se um bairro, onde insurgentes estariam escondidos, seria bombardeado mesmo sabendo-se da existência de civis no local. A resposta foi: “Sim, nós bombardearemos o local

Considerando isso, alguns pensariam que a razão está com a Etiópia e EUA. Ledo engano. Para começar não há razão. Tanto insurgentes, como governo Somali e forças de coalizão Etíope e americana contribuem para o sofrimento da população. A Etiópia é foco principal da denúncia. Segundo o relatório seria prática comum o bombardeio de áreas civis, sem possibilidade de distinguir alvos militares. Segundo Kenneth Roth, diretor executivo do Human Rights Watch, todas as partes são acusadas de desrespeito criminoso ao bem-estar da população civil de Mogadíscio (capital da Somália). A reportagem foi publicada ontem (13/08/2007) no Washington Post.

Num artigo da Folha Online publicado em Janeiro, Nick Grono, vice-presidente do International Crisis Group, a ação dos EUA na Somália poderia resultar em revés. Isto é, crescimento do apoio local ao grupo Islâmico que aprendeu a odiar os EUA.

Parece um ciclo vicioso. Poderia inspirar um filme. Mas não seria Rambo IV, pois ficaria repetitivo.
Anistia e Vaticano

Ontem o inglês The Independent trouxe em sua capa uma matéria sobre a campanha da Anistia Internacional que se mostra favorável ao aborto. O foco da reportagem, na verdade, foi o conflito que tal posição suscita entre a instituição e a Igreja Católica. “Anistia desafia Igreja Católica pelos direitos das vítimas de estupro”. O Cardeal Renato Martino, presidente do Pontifício Conselho por Justiça e Paz, declarou que a menos que essa política da Anistia [Internacional] se reverta, o Vaticano irá convocar os católicos de todo o mundo a boicotar a organização. Posição um tanto ríspida a meu ver, mas é preciso lembrar que a Anistia, instituição criada em 1961, está lidando com outra com dois milênios de história.

Não tenho uma opinião formada com relação ao aborto. Se é crime ou direito. Se é pecado. Se é certo ou errado. Até mesmo porque as variáveis ou “razões” para a prática do aborto não se limitam ao simples desejo de ter ou não filhos. Muito menos se restringe ao planejamento familiar. E mesmo se considerarmos apenas a questão religiosa, mas especificamente católica, é preciso lembrar que a porcentagem de católicos no mundo é de 17,20% de acordo com o site Rádio Vaticano.

Pelo que li o posicionamento da Anistia Internacional leva muito em consideração questões como as que ocorrem em Darfur, no Sudão. Naquela região o estupro é arma de guerra, de imposição genético-étnica e de dominação. Segundo relatório da organização feito em visita à região há três anos, é espantoso o número de casos de estupro. As vítimas são mulheres e crianças de até nove anos. Além da humilhação, da violência, do terror psicológico, e do ostracismo social a que as vítimas são submetidas, surgem as doenças que acabam por trazer mais mortes. Sendo as mortes e estupros causados pela milícia pró-árabe Janjawid, apoiada pelo governo sudanês, a dominação se dá pelo extermínio de não árabes e, com os estupros, o nascimentos de crianças de sangue árabe. Estupro usado como arma de guerra com o propósito de mudar o panorama étnico de um país. No caso de Darfur, seria a arabização da próxima geração. É estúpido, ignorante, irracional, eu sei muito bem. Mas é a infeliz realidade.

O Vaticano argumenta que a Anistia estaria indo contra sua própria missão. Diz que a organização ao mesmo tempo em que luta contra a pena de morte estaria condenando a morte uma criança antes que nasça. O que acaba por levantar, mais uma vez, a questão de quando a vida começa.

A secretária geral Anistia, Kate Gilmore, nega que a organização tenha se tornado “pró-aborto” insistindo que a organização segue imperativos legais e não teológicos. O que levanta outra questão interessante. O Estado laico.

Laico até que ponto? Existe a mesma reverência a um líder muçulmano, protestante, ou hindu, como vemos com relação ao Papa? Quando ouvimos na televisão algo do tipo “a igreja se pronunciou…” de qual igreja se fala?

O Estado não é nada laico. A questão do aborto, defendida “em alguns casos” pela Anistia Internacional, esbarra de uma maneira ou de outra nos dogmas católicos intrínsecos à sociedade, às leis, ao Estado.

Espero que não se perca de vista uma coisa: a mulher.

segunda-feira, agosto 06, 2007

É mais fácil derrubar a árvore

Recebi de um amigo uma matéria do jornal português Diário de Notícias sobre o caso de Mychal Bell, um adolescente americano de 16 anos condenado por agressão num caso que envolve ainda cinco outros “réus”, também adolescentes. No link vocês poderão ler o caso, em português, no qual Bell recebe pena de 22 anos de prisão após uma briga na escola. Notando que o “vitimado”, atendido logo após o incidente, saiu do hospital após cerca de 3 horas. Estava bem, passa bem.

Como não poderia deixar de ser, resolvi pesquisar mais e vi que a história não é tão simples assim. Percebi também que o conflito racial nos EUA, daqueles que sempre virão filmes dramáticos, infelizmente, ainda existe. Além disso, ficou mais uma vez claro, algo que chamei atenção no blog por ocasião da inscrição do repórter americano no PAN (o “Welcome to Congo”): o Katrina deixou transparecer a mazela que os EUA só enxerga na África e venda os olhos para seu próprio território.

Após a devastação deixada pelo furacão em Nova Orleans, muitos habitantes daquela cidade acabaram por migrar para outras cidades americanas, num movimento que lembra, guardadas as devidas proporções, o que vemos na África com os refugiados. Só que… ajudar refugiados negros africanos é uma coisa, mas ter como vizinho o afro-americano pobre é outra, e inadmissível pelas notícias que li. Declarações de um chefe de polícia numa dessas cidades vizinhas ilustram a forma como alguns vêem os afro-americanos. Jack Strain, xerife de St. Tammany mostra em algumas declarações o “problema” que tem. Dizendo que o governo federal deve encontrar algum lugar para “eles”, que qualquer um que for pego na rua com cabelos dreadlocks (rastafari) receberá visita da polícia, se referindo aos negros como coisas, lixo, animais, e fazendo outras ameaças.

E o Bush ainda quer dar lição de moral ao mundo. Deveria olhar para dentro de casa e não propagar a guerra e alimentar o ódio com sua política externa mixuruca, burra, e arrogante.

As notícias nos jornais americanos dão conta de um ressurgimento, por vezes violento, dos conflitos e tensões raciais de meados do século passado. A referência ao Katrina acontece, pois, tenho maioria negra, os refugiados de Nova Orleans chegaram a cidades de maioria branca. A alteração da paisagem não foi bem vista. Então (re)começa ou começa a vir a tona a verdadeira história (ou seria estória?) americana.

O caso do jovem Mychal Bell é bem por aí. Traz à mente a cena de homens de capuz branco enforcando um negro numa árvore. Um homem negro sendo julgado por um júri branco. Dois sistemas de justiça: um para os americanos e outro para os afro-americanos. No melhor estilo de John Grisham, no livro Mississipi em Chamas.

Ah, voltando ao título do post. Conseguem adivinhar o que fizeram a árvore?

sexta-feira, agosto 03, 2007

A evidência

Crianças. Futuro da humanidade. Prova viva do que acontece hoje e, ao mesmo tempo, do reflexo que tal acontecimento tem ou terá no amanhã. Sinceridade, espontaneidade, honestidade. Reflexo. Resultado. Produto. Prova.

A organização britânica Waging Peace (Promovendo a Paz) que, dentre outras coisas, luta em prol das vítimas em Darfur, no Sudão, fez um trabalho junto às mulheres daquela região, para que expusessem sua visão do conflito, seus temores, suas dores, para que denunciassem as atrocidades. Uma vez que o governo sudanês, segundo informações, sistematicamente intimida as organizações humanitárias, além de apoiar a milícia e seu exército que promovem o massacre e, claro, cala a população. "You have to be our voice. We don't have a voice" (Você tem de ser nossa voz. Nós não temos voz). Era a resposta de muitas das mulheres entrevistadas, a maioria tendo perdido seus maridos de forma brutal, assim como seus filhos mais velhos, numa região onde o estupro é arma de guerra.

Enquanto as mulheres eram entrevistadas, foi pedido a suas crianças que desenhassem seus sonhos, suas percepções. Embora não saibam ler nem escrever, podem desenhar. E os desenhos (cerca de 500) acabaram por representar a prova mais contundente do que está acontecendo naquela região sudanesa, onde mais de 100 pessoas morrem diariamente, onde cerca de 200 mil já morreram desde 2003, onde cerca de 2,5 milhões buscam refúgio nas fronteiras, (sobre)vivendo em condições críticas, onde o genocídio se perpetua uma vez que a morte também se dá em conseqüência da fome, de doenças diversas, e pela AIDS fruto dos estupros constantes.

As crianças deram a prova. Tornam-se a voz de suas mães e de todos que ali padecem. Retrataram o horror que ocorre em Darfur. Desmentindo o próprio governo sudanês, uma vez que tropas uniformizadas são ilustradas. Os desenhos, tristes, provam o que lá ocorre.




E o Renan?!

Acobou o recesso e, assim como a trégua durante o PAN, acabou a trégua para o RenAN. Mas recomeça também a mesma ladainha. Ele diz que fica, que dali não arreda o pé. O PSOL e outros gatos pingados dizem que é um absurdo, que ele deve sair, que vacilou, blábláblá. Latifundiários como o Renan devem sim se afastar de cargos públicos. Sou pessimista quanto a isso, pois acho que sempre usarão o cargo público em benefício próprio. Agora, por exemplo, surge a denúncia de "relações" entre o clã Calheiros e a cervejaria Schincariol (isso vai dar dor de cabeça em alguém). Também li algo sobre apropriação ilegal de área rural. As denúncias foram protocoladas pelo P-SOL. Vamos ver no quê dá.

Enquanto isso...

Será que tudo quanto é escândalo termina em Playboy? É o que parece. A jornalista com quem o Renan teve uma filha está prestes a ser capa da revista. Ao que tudo indica, o que foi visto pelo Renan em breve poderá ser visto por todos.

Em comemoração ele poderia dar uma festa numa de suas grandes propriedades, com cerveja Schin liberada e churrasco com carne vinda daquele matadoura alagoano. Poderia até distribuir uns exemplares da revista aos distintos cavalheiros presentes. Perfeito!
'Vuelve la guerra de las favelas'

Título de reportagem do espanhol El Pais sobre o fim da trégua na batalha entre traficantes e policiais (população à margem) no Rio de Janeiro. Fim do PAN, recomeço do pan pan pan. Foi mesmo um momento de paz. Os jogos poderiam durar eternamente. Mas o que é bom dura pouco e estamos de volta à realidade. Operações nas comunidades, chacinas, balas perdidas. É guerra!

Enquanto isso a Força Nacional de Segurança (FN) continua acampada em condições de extrema precariedade. Situação que dura mais de dois meses. Mas uma coisa em comum com a guerra. A edição on-line do Jornal Extra traz um vídeo (mais um) feito pelos integrantes da FN onde podemos ver como o Estado vem cuidando da segurança. O vídeo me fez lembrar a universidade onde estudo, com infiltrações, banheiros interditados (total ou parcialmente). É o Estado cuidando da Educação, da Segurança, da Saúde. Assim é complicado.

quinta-feira, agosto 02, 2007

Até então eram os negócios que vinham primeiro


Qual a relação entre o Petróleo e o crescimento de uma nação? Isso é fácil. O padrão energético atual exige o combustível fóssil para diversas aplicações. É uma dependência. Quanto mais uma nação cresce, mas consome o ouro negro. E qual seria então a relação entre o crescimento econômico de uma nação e a morte de muitos milhares e sofrimento de alguns milhões de seres humanos noutra nação? Os interesses comerciais vindo antes, muito antes, dos interesses humanos e sociais.

É mais ou menos o que houve entre Sudão e China. Sendo os maiores compradores do petróleo sudanês, os chineses por muito tempo foram um dos entraves para um boicote comercial e pressão internacional de fato no governo que apoia, ou no mínimo tolera, um genocídio. Para não prejudicar sua relação comercial com o Sudão, a China fez vista grossa para o que ocorria e, infelizmente, ainda ocorre naquele país, na região de Darfur.

Mas finalmente a China resolveu aceitar a responsabilidade moral e política que deve acompanhar o desenvolvimento de uma nação. Fico pensando se a imagem do país, que cediará as próximas olimpíadas, contou mais que o compromisso em ajudar os milhões de seres humanos que padecem nas fronteira de Chad e República Centro Africana.

quarta-feira, agosto 01, 2007

Extra-oficialmente

Ontem postei sobre o plano americano de vender armas para alguns países do Oriente Médio, agora de forma mais intensa e levando adiante a idéia absurda de "armar para pacificar". Hoje, na versão on-line do britânico The Guardian, li uma matéria muito interessante sobre as operações, digamos, extra-oficiais dos EUA no Iraque e em outros países. Os abusos e absurdos que assistimos na TV envolvendo soldados americanos, no Iraque por exemplo, talvez não se comparem aos abusos cometidos pelos mercenários também americanos. A reportagem comenta que a guerra está, de certa forma, privatizada. São dezenas de empresas que lucram prestando serviços de "segurança" naquela região. São vários casos de abusos onde a pena é uma simples demissão, já que não são militares, não respondem a corte marcial e dificilmente condenados como réus comuns.

São empresas muito bem relacionadas com a Casa Branca. A reportagem cita a BlackWater, que tem em seu quadro de diretores, ex-membros da CIA e do Pentágono. Também contribuiu substancialmente com a campanha do Bush e de seus aliados. São polpudos contratos de guerra substituindo a diplomacia internacional.

Os mercenários não se diferem muito dos próprios soldados americanos. Na segunda-feira, O Globo publicou uma reportagem sobre o prêmio que Exército americanos oferece aos novos recrutas. 20 mil dólares.

Sem levar em conta o absurdo da guerra em si, a pergunta que fica é: esses caras estão preparados para alguma coisa além de brincar de bang bang e ganhar uns trocados?

Segundo a reportagem são aproximadamente 48 mil desses mercenários. E o Tio Sam ainda fala de garantir a paz na região!?