quarta-feira, fevereiro 27, 2013

Como consumimos informação?

Se você começasse a pensar em toda informação que consome da mesma maneira que você pensa em comida... o que você faria diferente?

 

terça-feira, fevereiro 26, 2013

DOS BBB - um post experimental


!

TV:\>DIR
GLOBO
SBT
BAND
REDETV
TV:\> CD GLOBO
TV:\GLOBO>
TV:\GLOBO>DIR
FAUSTÃO
XUXA
.
.
.
BBB
TV:\GLOBO>CD BBB
TV:\GLOBO\BBB>
TV:\GLOBO\BBB>DIR
BBB1
BBB2
.
.
.
BBB13
TV:\GLOBO\BBB>CD BBB13
TV:\GLOBO\BBB\BBB13>
TV:\GLOBO\BBB\BBB13>DIR
BROTHERS
BIAL
PAREDÃO
TV:\GLOBO\BBB\BBB13>MOVE BROTHERS PAREDÃO
TV:\GLOBO\BBB\BBB13>MOVE BIAL PAREDÃO
TV:\GLOBO\BBB\BBB13>CD PAREDÃO
TV:\GLOBO\BBB\BBB13\PAREDÃO>
TV:\GLOBO\BBB\BBB13\PAREDÃO>DEL.
TV:\GLOBO\BBB\BBB13\PAREDÃO\*, Tem certeza (S/N)?s
TV:\GLOBO\BBB\BBB13\PAREDÃO>
TV:\GLOBO\BBB\BBB13\PAREDÃO>CD..
TV:\GLOBO\BBB\BBB13>
TV:\GLOBO\BBB\BBB13>CD..
TV:\GLOBO\BBB>DEL.
TV:\GLOBO\BBB\*, Tem certeza (S/N)?s
TV:\GLOBO\BBB>
TV:\GLOBO\BBB>CD..
TV:\GLOBO>
TV:\GLOBO>CLS

quinta-feira, fevereiro 14, 2013

Eu em Sampa


Intelectual, profissional, sentimental, emocional… gastronômico e etílico. Já entenderão.

É isso aí. Estive em São Paulo. Gosto daquela cidade e, depois de algum tempo, retornei. Semana passada. Viagem curta. De ônibus. Rio-Sampa segunda à tarde, Sampa-Rio na madrugada de quarta chegando aqui pela manhã.

O objetivo: treinamento de ECM Practitioner. Comecemos por isso. Excelente localização em plena Avenida Paulista. Estrutura ótima. Turma diversa e com atuação na área. Um ótimo networking. Instrutor reconhecido internacionalmente e com ótima didática e senso de humor. Nota 10, perfeito. Sobre o treinamento especificamente creio que cabe um post separado. Logo, por enquanto, é só. De qualquer modo, esse treinamento (com um custo considerável) representa muito no que diz repeito a minha formação, principalmente se considerar que poderei obter uma certificação internacional na área da informação. Intelectual, profissional!

Tinha outras duas intenções com essa viagem. A primeira era de rever velhos colegas. Quando se trabalha numa mesma empresa por mais de uma década, cria-se uma empatia. E foi um bom reencontro. As coisas seguiram seus caminhos, estão todos bem à sua maneira. E, considerando que não os via há, pelo menos, cinco anos, foi interessante também para fazer uma recapitulação de minha própria vida enquanto profissional, colega de trabalho. Pode parecer pieguice, mas hoje não vejo como um exagero dizer que o ambiente de trabalho (rotina, colegas, erros e acertos…) faz parte na nossa história de vida. Foram mais de dez anos de convivência que fazem parte do que eu sou hoje, não apenas como profissional, mas como pessoa. Sentimental, emocional!

São Paulo é uma cidade onde não faltam opções. A Avenida Paulista é um lugar realmente incrível, com toda aquela diversidade, a correria, a modernidade, a cultura. É uma região que me encanta. Mas, eu tinha outros objetivos e, por isso, encarei o metrô paulistano na hora do rush. Depois de uma caminhada para passar o tempo, desci na estação Consolação pouco antes das sete da noite. Uma multidão seguindo para o descanso do lar. Consegui um mapa com um funcionário do metrô e comecei a estudar qual rumo tomar, pois o destino ficava longe dali e era a primeira vez que me aventurava naquela região. A melhor opção foi a linha Amarela (a mais nova, creio eu). Nunca vi tanta gente seguindo para o mesmo local. Não me intimidei. Poucas estações até uma que integrasse com outra linha, a Azul. Estação da Luz. Já em no outro metrô eu segui até a estação final, Tucuruvi. Para temperar esse mergulho no cotidiano paulistano, houve um problema na linha e o metrô parou durante um bom tempo e, quando seguia, era numa velocidade bem baixa. O metrô de Sampa funciona muito bem, ainda mais considerando tanta demanda, e o problema, claro, foi algo extraordinário que coincidiu com minha aventura pós-treinamento.

Chegando ao fim da linha, estação Tucuruvi, saio, atravesso a rua e tomo um táxi  Em dez minutos estou no destino. Restaurante Mocotó!

O restaurante foi tema de uma reportagem na televisão há alguns meses. Com uma história muito interessante (leiam no site) e uma gastronomia prá lá de atraente, passou a ser meu sonho de consumo. Este, pelo menos, eu pude realizar. E me realizar. Chegando, o primeiro passo foi conseguir uma mesa. Estava lotado. O atendente anotou meu nome e fui para o balcão. Pedi uma cerveja para esperar pacientemente uma vaga. Não demorou muito. Me indicaram o lugar, sentei e passei a estudar o cardápio. Na verdade já conhecia, tanto da reportagem como de algumas visitas no site. Mas do balcão até aquele momento eu não deixei de analisar os pedidos dos demais clientes. Resolvi começar com o carro-chefe: o mocotó. Simplesmente incrível. Apresentação, cheiro, sabor. Perfeito.

Nesse ponto, aproveitei para atingir outro objetivo. E, claro, incrementar o paladar. Pedi uma cachaça. Não uma simples cachaça, mas uma WeberHaus. Eleita a melhor do Brasil num ranking de 2012. O pedido certo, no lugar certo. Não me arrependi.

A degustação não terminou com o mocotó. Não resisti em provar o bolinho de abóbora com carne-seca. Depois pedi uma carne-de-sol assada que é servida com manteiga-de-garrafa, alho assado, pimenta biquinho e chips de mandioca. Sim, cometi o pecado da gula. Mas foi um pecado delicioso a cada mordida. E claro, outra cerveja foi pedida, assim como outra dose de Weber Haus. Gastronômico, etílico!

A noite no restaurante Mocotó fechou com um delicioso sorvete de rapadura.

Já satisfeito, pedi três coisas ao garçom. Uma garrafa de Weber Haus (não encontrei aqui no Rio), a conta e um táxi.

Conta paga, cachaça acondicionada (no paladar, no organismo e na bolsa), subi no táxi e segui para a Rodoviária do Tietê. Sampa-Rio em ônibus leito pela madrugada.

Resumo: ótima viagem e objetivos atingidos com sucesso.

quarta-feira, fevereiro 13, 2013

Revirando as Cinzas


Algumas observações, lembranças e percepções. O que vi neste Carnaval?

Pra começar ficou claro que meu tempo de folião inveterado é passado. Ou talvez esteja apenas hibernando. Nunca se sabe. Boas lembranças de outros carnavais que iniciavam na quinta-feira e seguiam ininterruptamente até bem depois das Cinzas.

O fato é que este ano saí pouco, por opção mesmo. Menos até que no ano anterior. Mas algumas coisas eu não deixei de observar e aqui registro.

Primeiramente algo que penso que todos perceberam foi o aumento de turistas no Rio de Janeiro. A folia de rua está cada vez mais forte na cidade. O número de blocos parece não comportar tanta gente. Avenida Rio Branco, Lapa, Aterro, Orla da Zona Sul, Ruas e Praças e Esquinas… A qualquer hora, em qualquer local. 

Mas ainda acho que poderia haver uma descentralização maior, até por conta da quantidade de pessoas. Zona Norte, Zona Oeste, Baixada… Estive em Mesquita ontem, e em Nilópolis também. Nem sinal da animação que se viu na Zona Sul e Centro do Rio de Janeiro nesses últimos dias. Uma pena.

Ah, o número de turistas, brasileiros e estrangeiros, também parece ter aumentado. Um teste para os grandes eventos que estão por vir.

Bem, vamos aos detalhes, aquelas observações que aparentemente não tem importância, mas que, analisando bem, dizem muita coisa.

Foi inevitável uma comparação, pelo menos em alguns momentos, com o carnaval passado, no que diz respeito à quantidade de catadores de latinhas. Teve um momento que eu estranhei mesmo. Ninguém aparecia e as latinhas se acumulavam. Pensei “isso mostra que a condição de vida daquelas pessoas melhorou e não existe mais a necessidade…”. Mas, claro, pode ser que a relação oferta-procura esteja desequilibrada. Não me entendam mal, não fico feliz ao ver tanta gente trabalhando como catadores de latinha para sobreviver. E não me venham dizer que é um trabalho como outro qualquer, digno, gera renda, sustentável, blábláblá. O ideal seria que as latinhas fossem depositadas em lugares adequados e recolhidas diretamente para reciclagem. Não faço parte da turminha que se regozija e se promove com a miséria dos outros. Mas o fato é que não vi tantos catadores como nos anos anteriores.

Ainda com relação aos catadores eu presenciei uma cena, no mínimo, curiosa. E que mostra tanto a força da propaganda como também o condicionamento das pessoas. Todos sabem que a cerveja Antarctica, como patrocinadora do Carnaval de Rua no Rio, praticamente domina o comércio nessa época. Latinha azul. Pois bem, estávamos numa praça, próximos a um amontoado de latinhas azuis. Mas uma delas era vermelha (Coca-cola). Um senhor chega e começa a recolher as latinhas e simplesmente ignora a vermelha. Foi algo inusitado. Ele estava tão condicionado a pegar latinhas azuis que não se apercebeu da latinha vermelha (mesmo material e valor).

A cada ano as fantasias me surpreendem mais. A criatividade das pessoas parece não ter fim. E, a maioria dessas, feitas em casa com o material que tinham a mão. Ou mesmo compradas nas farmácias (fraldas geriátricas, por exemplo). Carnaval barato e cheio de animação, descontração e com muito humor.

Álcool! Aí vai um recado para os reguladores de plantão. Vendedores ambulantes devidamente registrados e autorizados a comercializar bebidas - principalmente a cerveja de latinha azul que compram com vantagens em mercados e depósitos - estão vendendo a bebida para menores. Como fica claro que não há controle, pergunto se houve pelo menos uma conscientização (ou um simples aviso) no ato do registro. 

Carnaval parece época de esquecer. Esquecer o trabalho, os problemas pessoais, as dívidas… Esquecer e relaxar, aproveitar, foliar. Mas basta uma olhadinha para o lado que vemos algo simplesmente inesquecível. Inesquecível de tão triste e preocupante. Falo do crack. A chamada epidemia que assusta a sociedade (assusta mesmo?) e destrói a vida de tantos. Ontem, voltando de Nilópolis de ônibus, passando pela Avenida Brasil, altura de Bonsucesso, acesso à Ilha do Governador. Ali mesmo. No mesmo local. Nada muda. A não ser o número de seres que engrossam aquela massa de humanos totalmente à margem da sociedade – neste caso, à margem da Brasil… do Brasil – que tiveram suas vidas literalmente interrompidas pelo consumo dessa porcaria chamada crack. Posso viver o melhor Carnaval de minha vida, mas aquela cena é deprimente. E lamentável, posto que evitável, uma vez que basta que aqueles que podem e devem fazer alguma coisa, façam tal coisa.

Sobre essa questão das drogas, acabei de ler que um ator, conhecido por atuações em telenovelas, está se juntando a certo grupo (não vou complementar com “político”, pois não é bem isso que tal grupo tem feito nos últimos anos) e dá entrevista lamentando que “tantos presos lotando os presídios só porque fumou ou vendeu um baseado” que diz que uma de suas bandeiras será a liberação da maconha. Gostaria que ele hasteasse essa bandeira em frente às casas de mães e pais e irmãos e amigos que perderam os seus pelo que ele quer liberar. Mais um medíocre a querer “salvar” o país de terno, com fórum privilegiado, salários e tantos outros benefícios garantidos sem exigência de ibope. Essa é uma folia que parece não ter fim.

terça-feira, fevereiro 12, 2013

Nossos velhos


Ao longo dessas mais de três décadas convivi com várias pessoas idosas de minha família. Quando se vive, o “fenômeno” do envelhecimento é inexorável. Assim como a morte…

O fato é que nessa convivência existe uma peculiaridade que se inverte com o tempo. Falo da responsabilidade (e responsabilização) de um para com outro.

Bem, essa questão que a primeira vista parece simples pode suscitar discussões das mais diversas e profundas, seja sobre a efemeridade da vida, sobre a perenidade da família enquanto instituição, ou até mesmo sobre o aparato jurídico criado na esteira da problemática “mais velho” x “mais novo” x “responsabilidade”.

Não é minha intenção aprofundar o debate. Esse desabafo, que poderia (ou deveria) ter escrito antes tornou-se necessário, assim posso dizer, após uma visita aos meus velhos. Mais que um desabafo, talvez possam considerar o que escrevo abaixo como um toque.

Vamos lá… A metodologia de qualidade total conhecida como 5S não é algo estranho, creio eu, para a maioria das pessoas. Só o nome que ganha ares academicistas. Eu, muitas vezes faço o tal 5S nas minhas “bagunças”, na geladeira, nos armários, etc. Há algum tempo comecei a ficar mais atento ao que se passava nas casas de minha avó paterna e minha tia-avó materna, ambas com mais de 80 anos. Antes, já conversava e dava conselhos para minha mãe e até para minha irmã.

Bem, o fato é que comecei a ficar um pouco assustado com certas coisas que encontrava. Consequentemente, passei a ficar mais atento. Iniciei fuçando os remédios. Sim, infelizmente meus velhos tomam muito remédio. Acho até que tomam remédios demais. Mas não sou médico, apenas um intrometido metido a besta.

Me deparei com muitos remédios fora da validade. Outros, em ambiente impróprio para uma efetiva conservação ou preservação de suas propriedades alopáticas. Outros ainda, lendo a bula (sim, eu leio a bula), indicavam reações adversas se ingeridos com medicamentos que estavam sendo usados (logo, não houve uma boa comunicação médico-paciente). Tudo para o lixo!

Resolvi explorar outros ambientes. Foi natural olhar para a parte alimentar. Geladeira e despensa. Mais uma vez o susto. Alimentos vencidos. Alguns acondicionados de forma que, mesmo dentro do prazo de validade, apresentavam características que indicavam, visivelmente, que não deveriam mais ser consumidos. Lixo!

Recentemente explorei, também, os cosméticos. Não considero a vaidade um pecado mortal. A exceção dos exageros, hábitos e recursos de embelezamentos são muito importantes para manter a vitalidade, a autoestima. Mas tais produtos (perfumes, cremes, esmaltes, batons, etc.) são igualmente nocivos quando fora da validade. Encontrei muitos. Mais lixo!

Lembremos aqui que a validade dos produtos é estimada e considera que tais produtos estarão acondicionados de forma e em ambiente adequados.

É importante também considerar que qualquer mudança gera um estresse, que pode ter consequência negativa. Logo, é preciso tato. Conversas, explicações, exemplos… e humor. E, claro, tudo com calma, nada de posturas grosseiras ou ações abruptas, agressivas. Tudo isso e o mais importante: respeito.

A inexorabilidade a ação do tempo em nosso corpo (velhice) é um fato, assim como o é a ação do corpo em nossa vida (morte). São as verdades da existência.

Se podemos fazer algo importante, então devemos fazer tal coisa, já dizia alguém que não me recordo no momento. Em se tratando de questões de saúde temos uma obrigação (moral, humana). A inércia, nesse caso, trás consequências graves, senão derradeiras.

A balança da responsabilidade (e da responsabilização) agora pende para o lado dos “mais novos”. Sabemos o que podemos fazer. Sabemos o que devemos fazer. E nossos velhos agradecem.

sábado, fevereiro 02, 2013

On ou OFF ? De que lado você está ?

O vídeo abaixo foi exibido hoje no início de uma aula na pós-graduação. Achei tão pertinente com tudo que vivemos, tão atual... 

Rio de Janeiro. Belezas e Mazelas

O Rio de Janeiro conta com pontos turísticos naturais e outros tantos frutos de trabalhos arquitetônicos e paisagísticos.  O descaso do...